Paes: ‘Relatório do Engenhão é uma vergonha para o Rio’

Compartilhe:

O prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, voltou a afirmar que a população do Rio não vai pagar a conta da reforma no teto do Estádio Olímpico João Havelange, o Engenhão, interditado no último mês de maio. Paes disse que essa não é sua maior preocupação.

“Estou preocupado com a solução definitiva. O relatório é uma vergonha para o Rio de Janeiro”, disse, explicando que as imagens mostram um risco efetivo ao público e aos jogadores e profissionais que trabalhem em dias de jogos.

“Os responsáveis vão cumprir seu papel e recuperar a estrutura, seja o valor que for. Mas não vamos arcar com os custos. Essa hipótese não existe”, garantiu.

Sobre os erros nas placas de sinalização em vários pontos da cidade e que levaram o engenheiro Gil Augusto Barbosa a entrar de forma equivocada na Vila do João e ser atingido na cabeça por um tiro, Paes disse que a cidade precisa de melhor sinalização, mas que está mudando.

“Em breve essas coisas vão deixar de acontecer, pela própria política de segurança pública no estado. Essa dominação de bandidos em áreas da cidades vai acabar”, afirmou. Eduardo Paes disse ainda que a cidade não vai fazer nenhum tipo de sinalização especial em áreas de mais risco.

Sobre os protestos contra o aumento das tarifas de ônibus, o prefeito foi irônico e disse que os movimentos querem é a estatização do serviço. “O Rio tem o bilhete único mais barato do Brasil, não tem subsídio, como em São Paulo, por exemplo, onde a prefeitura entra com mais de R$ 1 bilhão para completar o valor”, afirmou.

O prefeito disse que o aumento foi apenas em cima dos custos básicos. “Esse mesmo movimento já protestou contra o aumento que ia para R$ 3,05, quando o aumento foi para R$ 2,95 seis meses depois”, disse.

Fonte: Terra

Comentários