Seedorf anunciou sua aposentadoria nesta terça-feira. O fim do ciclo no Botafogo não mexerá apenas com o técnico Eduardo Hungaro, mas também com a parte comercial. O principal patrocinador do clube, o grupo Viton 44, lamentou a saída do holandês, que teve participação decisiva para que a empresa apresentasse um crescimento de 25% ao ano, durante as três temporadas de parceria com o Alvinegro.

Para não perder o retorno em exposição, o presidente do Viton 44, Neville Proa, já sabe o que o Botafogo deve fazer: investir pesado e trazer um novo craque para General Severiano. O empresário, no entanto, ficou em cima do muro e não revelou quem seria o sonho de consumo para vestir a camisa do Alvinegro e alavancar a exposição de suas marcas.

“Seedorf foi o diferencial para essa parceria até agora. Todo mundo quer foto com ele. É a estrela da companhia. E a nossa marca estava junto sempre. Vai fazer falta nesse sentido, claro. Ele aumenta a audiência de qualquer lugar. Mas tenho certeza que o Botafogo vai contratar um outro craque em resposta. Ter um jogador de ponta é importante em todos os sentidos”, disse Neville Proa ao UOL Esporte.

“Era o cara do Botafogo, vai fazer muita falta. Mas já estava mais ou menos alinhavado isso [Seedorf sair].  Não gera prejuízo, pois eu já sabia que isso poderia acontecer, não adianta lamentar isso também. Foi importante.  Ele foi muito importante. O Botafogo tem muita sorte de contratar esses grandes jogadores. E acho que o Seedorf já está da galeria de craques do clube. Infelizmente nos deixou”, completou.

Com a ajuda de Seedorf, o Botafogo aumentou consideravelmente o investimento de seus patrocinadores. O próprio Guaraviton entrou no clube pagando cerca de R$ 8 milhões e atualmente gasta R$ 25 milhões para estampar sua marca na camisa do Alvinegro.

A diretoria do Botafogo sempre teve em Seedorf seu garoto propaganda para conseguir melhores acordos financeiros. Porém, utilizar a imagem do craque em campanhas de marketing não era tão simples e muitos projetos foram cancelados de última hora. Mesmo assim, o Alvinegro soube utilizar o camisa 10 e terá que se desdobrar em negociações futuras, agora sem o holandês.

Fonte: UOL