Depois de receber a aprovação inicial durante esta semana, o Botafogo teve a sua volta ao Ato Trabalhista confirmada, neste sexta-feira, como acordo homologado pelo presidente do Tribunal Regional do Trabalho. Com isso, o Alvinegro carioca terá receitas desbloquedas e poderá usar o dinheiro para pagar dívidas e planejar melhor o ano de 2015.

Em entrevista ao programa “Bate-Bola” da ESPN Brasil, o presidente botafoguense, Carlos Eduardo Pereira, comemorou a vitória na Justiça que ajuda a recuperar o clube financeiramente, mas avisou que as dificuldades ainda existirão na próxima temporada.

“Eu queria em primeira mão transmitir com muita satisfação que acabamos de ter a decisão favorável do presidente do Tribunal Regional do Trabalho do Rio de Janeiro, garantindo o retorno do Botafogo para o Ato Trabalhista. Foi um trabalho brilhante do nosso departamento jurídico, que em menos de um mês de gestao consegue resgatar a credibilidade do Botafogo diante da Justica do Trabalho. Temos um caminho imenso pela frente, mas o Botafogo está voltando à normalidade”, afirmou o presidente, que acrescentou.

“Temos diversas operações de adiantamento de receitas, empréstimos, estamos mapeando atletas que foram negociados. Enfim, a situação continua complicada é um sinal que as pessoas começam a acreditar no Botafogo. Mas ainda sim vamos ter um ano de 2015 muito difícil”.

A data exata em que o Botafogo volta a ter acesso às receitas ainda não está confirmado, mas a diretoria espera que isso aconteça antes da virada do ano, embora haja a possibilidade que aconteça apenas em janeiro. Isso porque o clube carioca precisa pagar a quarta parcela do Refis (programa de refinanciamento de dívidas) até o dia 30 de dezembro. O percentual da renda que ainda será penhorada para o pagamento de dívidas também ainda não está definido.

Após a volta ao Ato Trabalhista, que vai ajudar o Alvinegro a quitar salários atrasados, por exemplo, Carlos Eduardo Pereira agora já pensa em outras missões para recolocar o Botafogo no caminho certo depois de uma grave crise financeira gerada por erros na administração ex-presidente Maurício Assumpção.

“O primeiro passo foi a regulamentação dos dos pagamentos do clube em relação ao parcelamento da Timemania, que tinha oito meses de atraso, agora retornamos ao Ato Trabalhista. E agora temos o desafio da regularização do Refis, vamos ter uma reunião em Brasília para negociar esses pagamentos com o Governo Federal”, disse o presidente.

Fonte: ESPN.com.br