O presidente do Botafogo, Carlos Eduardo Pereira, concedeu entrevista ao vivo na Super Rádio Tupi. O dirigente falou sobre a importante notícia dada na última semana, que foi a volta do clube ao Ato Trabalhista e a tentativa de resolver com a Fazenda Nacional o Refis, que dará melhor condições financeiras ao Botafogo. Problemas que a diretoria, que foi eleita em novembro, deu prioridade, para o clube poder ter capacidade de fazer contratação e receber receitas de patrocinadores.

“É um começo de caminhada. Estamos chegando no final de 2014 e, nos dedicamos nesse curto espaço de tempo, resolver os problemas fiscais do clube, com prioridade, que foi o pagamento da Timemania, que estávamos ameaçados de ser excluídos do parcelamento, e também o retorno do clube ao Ato Trabalhista, pois o Botafogo estava com todas as contas e receitas bloqueadas. Se nós não conseguíssemos tomar esse caminho e ter a confiança do TRT novamente, o clube não iria ter condições de contratar, receber receitas de patrocínio, o clube ia continuar paralisado. Segunda-feira(22/12) estarei embarcando com o vice presidente jurídico para Brasília, para começar a discutir com a Fazenda Nacional a questão do Refis, para regularizar o Botafogo e entrar em 2015 com boas condições, pelo menos de operação”

O dirigente também falou sobre o orçamento para montar uma equipe para 2015 e qual time o Botafogo poderá mostrar a torcida, já que 17 jogadores foram dispensados, André Bahia negociado, Gabriel e Daniel entraram na justiça.

“O esboço inicial é modesto. Estamos mapeando receitas, tendo renovação de contratos de forma objetiva. Por enquanto os números estão girando na casa de 60 milhões de reais, normalmente girava na casa de 104 milhões, é uma redução muito significativa. Temos procurado transmitir para os torcedores que 2015 vai ser um ano muito difícil, mas estamos buscando novas receitas, é uma grande mudança no Botafogo, pois o clube vinha até o ano de 2014, tendo como única fonte de manutenção do seu plantel a antecipação de receitas e o endividamento. Atualmente estamos num patamar que não temos mais capacidades de endividamento e nem receitas para antecipar. Temos que buscar novas receitas, atuar com criatividade, temos alguns pontos que não estão efetivamente claros, que é o caso do Engenhão, que é uma peça importante para alavancar o programa de sócio-torcedor e estamos com uma equipe de executivos em formação, que será dirigida por René Simões, que já está vendo a possibilidade de atletas, que tem interesse em buscar atuação em outros clubes e também mesclando com o plantel do Botafogo. A questão do Gabriel ainda não considero encerrada, estamos tentando estabelecer um diálogo e algum tipo de composição para o jogador continuar no clube. Também estamos recebendo alguns atletas que estavam emprestados, como é o caso do Gilberto, Lima e Henrique. Com isso o treinador vai ter condições de montar uma boa equipe. A gente trabalha para que o grande nome da nossa equipe siga sendo o goleiro Jefferson, é peça fundamental do nosso planejamento.”

Carlos Eduardo Pereira afirmou que o mais importante para o Botafogo é voltar para a Série A. Para o presidente, não será uma decepção se o time não ganhar o título da Série B.

“Hoje estou querendo voltar para a Série A. Vamos entrar para disputar todas as competições, mas é tão importante para o clube voltar a Série A a em 2016, que uma colocação entre os quatro primeiros, não ficarei triste, vou ficar satisfeito, teremos cumprido uma parte da nossa missão. Iremos nos empenhar bastante na Série B, mesmo com orçamento restrito, para ver o Botafogo novamente entre os grandes clubes brasileiros.”

A promessa da prefeitura é de entregar o Engenhão ao clube no início de 2015. O dirigente falou sobre a expectativa de poder utilizar já o estádio e os planejamentos com o Engenhão.

“A expectativa que temos, passada pelo prefeito Eduardo Paes, é de que está se esforçando muito para que o estádio esteja disponível para o Botafogo no início do ano. Porém, eu que sou leigo, vejo as obras, considerando que estamos em época de festas, vai restar pouco tempo para a liberação. Mas, estamos acreditando na palavra do prefeito. Tendo a garantia de retorno do estádio, fazer uma bonita festa de reencontro do time e torcida com o Engenhão. E, para que possamos mandar nossos jogos do Carioca no estádio, fazendo promoções, trabalhando com ingressos com menor preço possível, para que a gente possa ativar todos os outros setores do estádio, inclusive aumentando o número de sócios e torcedores que acompanham as partidas, estimular nossos patrocinadores, dar mais visibilidade às suas marcas e gerar mais negócios no estádio.”

Fonte: Super Rádio Tupi