O zagueiro Bolívar seguirá no Botafogo até o fim de seu contrato, que termina no final desta temporada. O presidente Maurício Assumpção aceitou conversar com o jogador na manhã desta terça-feira e decidiu mantê-lo no elenco. Assim, o clube desiste da ideia de rescindir com o atleta após pressão do elenco alvinegro, que cobrou a sua manutenção em General Severiano para o restante do ano.

O plano de abrir mão de Bolívar era da alta cúpula do Botafogo, insatisfeita com o papel de líder do zagueiro durante a crise financeira vivida pelo clube neste início de ano. O elenco realizou protestos e sentou no gramado antes de treinamentos durante a disputa do Campeonato Carioca e da Copa Libertadores.

Bolívar é o atleta mais influente do Botafogo. Até mesmo quando Seedorf estava no clube, era o zagueiro quem tinha a voz mais ativa entre todos os jogadores. Entre as conquistas conseguidas para o elenco estão: veto à concentração e cancelamento de um treinamento durante os protestos contra os salários atrasados.

A reunião entre Bolívar e o presidente Maurício Assumpção aconteceu após pressão de Jefferson e Marcelo Mattos, que cobraram os dirigentes por causa de decisão de mandar o companheiro embora na segunda-feira.

No encontro entre jogador e dirigente, as diferenças foram ajustadas. O zagueiro confirmou papel ativo nas cobranças por atrasos salariais, mas ressaltou que tinha apoio de outros atletas em suas reinvidicações.

A reviravolta no caso confirma importante passo atrás da diretoria, focada em reformular o clube após as eliminações do Campeonato Carioca e da Copa Libertadores. As mudanças tiveram início com o técnico Eduardo Hungaro, que voltou ao cargo de auxiliar. Henrique deu sequência e se transferiu para o Bahia por empréstimo até o fim do ano. Seis membros da comissão técnica alvinegra também foram dispensados.

Fonte: UOL