A nova diretoria do Botafogo completa nesta sexta-feira um mês na administração do clube. E os desafios ainda são bem grandes. Em entrevista à ESPN Brasil, o presidente do clube, Carlos Eduardo Pereira, admitiu avanços, mas lembrou que a situação financeira do clube é muito delicada. Tanto que restam ainda cerca de R$ 43 milhões para igualar a verba do clube em 2014.

“O que temos feito é resgatar um pouco da credibilidade do clube, mostrando que o Botafogo tem uma nova administração, uma nova prática, tentando honrar compromissos. Mas em 2015 não temos nem um orçamento completo, que seria em torno de R$ 100 milhões. Devemos estar em R$ 57 milhões. Precisaremos de dinheiro novo”, disse Pereira.

Nesta sexta-feira, os dirigentes alvinegros irão se reunir com o técnico René Simões para analisar as opções de reforços para a próxima temporada. O presidente confia em atrair investidores pelo fato de o Botafogo ser o clube de maior tradição a disputar a Série B. O panorama encontrado, no entanto, foi mais impactante do que o imaginado inicialmente.

“A situação do Botafogo é um pouco pior do que a gente imaginava porque no período eleitoral foi possível fazer uma análise superficial. Sabíamos de alguns passivos, mas surgem compromissos que não estavam em balanços e na previsão. Esses dados que são muito preocupantes. O primeiro obstáculo que encontramos foi a falta de credibilidade. Isso gera uma situação de praticamente insolvência”, afirmou Carlos Eduardo.

Uma das esperanças de receita é o Engenhão. Em fase final de testes após a reforma na cobertura, ele deve voltar à administração do Botafogo a tempo de utilizá-lo no Campeonato Carioca, que começa em fevereiro.

Fonte: ESPN.com.br