Credor

Está no balanço: o presidente Carlos Eduardo Pereira é credor do Botafogo. No ano passado, emprestou R$ 577 mil para evitar punição pela dívida com o Vitória originada na venda de Elkeson. O empréstimo não tem juros, garantias, prazo para quitação e nem perspectiva de cobrança por parte do dirigente.

Modelo do Profut

Dono do mais assustador balanço do país, o Botafogo vê o título estadual como vital. A estratégia é uma recuperação esportiva que atraia torcida e parceiros. A dívida de R$ 845 milhões, cinco vezes o faturamento anual, fez o clube parâmetro para a comissão do Congresso que estuda a MP do Profut, que refinancia a dívida dos clubes. Para o deputado Otávio Leite, relator da comissão, “se o Botafogo for capaz de cumprir o parcelamento, qualquer clube será”.

Fonte: Coluna Panorama Esportivo - O Globo