Todo o ambiente que envolve o Campeonato Carioca é uma verdadeira guerra. Na confusão entre Fluminense e a Federação de Futebol do Estado do Rio (FERJ), sobrou também para o Botafogo. O clube teve seu nome citado pelo presidente do Fluminense, Peter Siemsen, durante entrevista ao jornal “Extra”, onde ele critica a aproximação do Alvinegro com a FERJ. Peter afirma: “O Botafogo está totalmente alinhado com a federação, não sei o que eles querem com isso. Talvez uma conta bancária mais alta”. Carlos Eduardo Pereira responde e rompe relações com o Tricolor.

“Foi uma surpresa grande ler a entrevista do presidente do Fluminense com o qual até hoje não troquei nenhuma palavra. Achei irresponsável num primeiro momento, porque lança no ar algum tipo de suspeita sobre a conduta do Botafogo quando se fala em dinheiro e conta bancária. Ele devia apresentar alguma prova sobre isso ou então se retratar. O Botafogo está revoltado com a postura do presidente do Fluminense e com certeza, a partir desta data, as nossas relações estão rompidas até que ele se retrate”, disse o presidente do Botafogo.

Peter Siensem ficou ainda mais revoltado após a decisão da FERJ em estabelecer um preço fixo para o custo operacional do Maracanã, o que foi rechaçado pela concessionária que administra o estádio e também por Fluminense e Flamengo, clubes com os quais tem contrato. As declarações em relação ao Botafogo não pararam por aí.

“Para o Botafogo, hoje parece conveniente apoiar essa medida. Mas isso pode se voltar para o Engenhão também. A não ser que eles saibam que serão amigos da Ferj para sempre. Hoje atinge o Fluminense, mas amanhã poderá atingir outro filiado”, ressaltou Peter.

Fonte: Site da Rádio Globo