Quatro candidatos concorrem à presidência do Botafogo, apesar da crise financeira que assola o clube. E a missão que inicialmente já não era nada fácil, ficou ainda mais complicada. Isso porque a atual diretoria, liderada por Maurício Assumpção, já adiantou a verba do Alvinegro do Campeonato Carioca de 2015. Os R$ 6 milhões, equivalentes aos 15 jogos da primeira fase do Estadual – são R$ 400 mil por partida.

Assim, o próximo presidente terá que se desdobrar para conseguir novas receitas que compensem, por exemplo, a do Carioca, que já foi comprometida. Além disso, o Botafogo tem direito a receber aproximadamente R$ 50 milhões anuais pelos direitos televisivos. Parte dessa quantia foi usada, embora grande parte ainda será paga.

A previsão dos candidatos é que o Botafogo terá que apertar os cintos com o futebol na próxima temporada. No ano passado, o Alvinegro tinha uma folha salarial de R$ 6 milhões, sendo reduzida para R$ 4,8 milhões e em seguida para R$ 3,5 milhões ainda na atual temporada. Para 2015, especula-se que essa soma seja de apenas R$ 3 milhões.

Essa redução se faz necessária pelo refinanciamento as dívidas. Além de ter que pagar débitos passados, todos os time terão que manter os salários em dia sob pena de até mesmo perder pontos no Campeonato Brasileiro. Para isso, a nova lei ainda precisa ser aprovada pelo governo federal.

Após afundar em grave crise financeira, o Botafogo já iniciou o processo para se restabelecer. Nesta quinta-feira o clube deverá ser julgado pelo Tribunal Regional do Trabalho para uma possível volta ao Ato Trabalhista, que cria uma lista dos credores, fazendo com que o Alvinegro não tenha 100% de suas receitas bloqueadas.

Fonte: UOL