Quarteto demitido dará 1ª entrevista hoje e promete não poupar a diretoria

0 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

O Botafogo tenta se equilibrar em duas frentes nesta reta final, o Campeonato Brasileiro e a Copa do Brasil, mas, nesta quarta-feira, todos os olhares estarão voltados para fora do campo. Após 12 dias de silêncio, Bolívar, Emerson Sheik, Edílson e Júlio César, todos demitidos por ordem do presidente Maurício Assumpção, falarão à tarde, em um restaurante na Barra da Tijuca, sobre os motivos que os tiraram da temporada. E prometem não poupar a diretoria.

Após as demissões, o alvinegro teve duas derrotas, mas, no último sábado, conseguiu uma vitória sobre o Corinthians, em Manaus. O triunfo deu ânimo ao time, que, nesta quinta-feira, no Pacaembu, vai tentar superar a derrota de 3 a 2 para o Santos no jogo de ida das quartas de final da Copa do Brasil.

Apesar da confiança de que a classificação pode ser conquistada, o lateral-esquerdo Júnior César foi honesto ao destacar qual é a prioridade.

– Eu, Júnior César, não quero ir para a segunda divisão. Isso traz uma mancha no grupo, mas a Copa do Brasil também é importante – afirmou o lateral, que não treinou nesta terça-feira, mas viaja para São Paulo. – Vamos tentar reverter, como fizemos contra o Ceará, mas nosso objetivo principal é o Campeonato Brasileiro.

Além de Júnior César, o técnico Vágner Mancini teve outros desfalques no treino desta terça-feira à tarde. Aírton, Fabiano e Tanque Ferreyra já estavam entregues ao departamento médico e ganharam a companhia de André Bahia. Ele sente dores na coxa esquerda e deve ser poupado contra o Santos.

Como o goleiro Jefferson não chegará da Ásia, onde estava com a seleção, a tempo para o jogo, Mancini treinou nesta terça-feira com dois goleiros entre os titulares: Andrey, que voltou da passagem pela seleção sub-21; e Hélton Leite, destaque na vitória sobre o Corinthians.

Notícias relacionadas