O Botafogo lida coma expectativa da final do Campeonato Carioca, contra o Vasco, mas já de olho no futuro, na disputa da Série B. Por isso deseja reforços para o elenco. E neste quesito está bem encaminhado. Pelo menos é o que garantiu o técnico René Simões em entrevista à ESPN Brasil na manhã desta sexta-feira. Segundo o treinador, seis reforços estão bem próximos de acerto com o clube.

“Está quase tudo certo com seis jogadores para reforçarmos pontualmente a equipe dentro da realidade do Botafogo. O compromisso é manter os salários em dia, mas com sacríficio. Entre ter jogadores que não têm o salário pago, prefiro manter o que temos tido, na linha da diretoria, para que o mês dos jogadores tenha 30 dias”, disse René Simões.

Dois deles já tiveram seus nomes comentados. O primeiro é o atacante Rafael Oliveira, do Botafogo-PB, adversário do time carioca na primeira fase da Copa do Brasil. O segundo já estava dentro do próprio clube, em recuperação: o meia-atacante Daniel Carvalho, de 32 anos. Os outros quatro nomes permanecem um mistério, mas outro grande reforço pode chegar ainda para o Carioca: o retorno do ídolo e capitão Jefferson, que operou o joelho direito e pode estar recuperado para o segundo jogo da final.

“Ele vai estar com 21, 22 dias de recuperação. Um torcedor disse que seria injustiça com o Renan o Jefferson jogar o último jogo. Não vejo injustiça nenhuma, até porque quem começou o campeonato foi o Jefferson. E o Renan torce pelo Jefferson. É tão bom caráter que torce. Tenhos três capitães na equipe: o Jefferson, o Marcelo Mattos e o Renan. Eu converso com eles sobre tudo. A gente vê a liderança, o empenho do Jefferson”, analisou René.

Mas na semana do primeiro confronto com o Vasco, o técnico do Botafogo teve de lidar com um problema: a demissão do preparador físico Marcello Campello. Após fortes críticas pelo desempenho do time na semifinal do último fim de semana, quando os jogadores apresentaram lesões e o time se arrastou em campo, Campello acabou dispensado. René explicou a sua decisão.

“Isso gerou muito comentário fora do Botafogo, não dentro. A coisa foi administrada com muita transparência. Marcello é um profissional muito compentente, ainda mantenho relação. O que aconteceu foi uma questão de química entre todos os setores que têm de estar casados. A responsabilidade é sempre do treinador. E na hora de tomar as decisões elas serão tomadas por mim. Se o time for campeão, o Marcello será campeão. Ele trabalhou, é compentente e eu tomei minha decisão. Desejo todo sucesso a ele”, completou o técnico.

Na sequência da preparação para a final do Campeonato Carioca, o Botafogo volta a treinar na tarde desta sexta-feira, no campo anexo do Etádio Nilton Santos, o Engenhão.

Fonte: Gazeta Esportiva e ESPN.com.br