O técnico René Simões deixou o politicamente correto de lado para resumir a classificação do Botafogo para a final do Campeonato Carioca. Para o comandante alvinegro, se o time não tivesse sentido tanto a parte física, o Fluminense teria sido atropelado no último sábado, no Engenhão. Ele também fez questão de destacar a importância e as vantagens de jogar em casa, ignorando as conquistas do Fluminense no mesmo palco.

“Tudo foi pensado. O Engenhão foi usado porque o retorno financeiro era maior que o Maracanã, mas também tem a questão visual. Você está sentado no teu banco, está no teu vestiário, é o nosso ambiente. Aí me falaram que o Fluminense conhecia o estádio. Que Fluminense? Jean, Gum e Cavalieri, só. O Engenhão é a nossa casa, eu treino lá! O que faltou ao Botafogo sábado foi perna. Se o Botafogo tivesse perna a gente atropelava o Fluminense”, garantiu René.

René também falou sobre a atual situação do futebol carioca e disse que os clubes só serão verdadeiramente fortes quando estiverem estruturados e não dependerem da Federação e de recursos da TV. Também falou sobre a relação do clube com a Federação carioca.

“O Botafogo era uma terra arrasada. Você imagina ele (presidente Carlos Eduardo Pereira) chegando no clube tendo que resolver os problemas dele e ainda os da Federação? Não dá! Ele precisa fazer pelo dele. O nosso futebol tem solução. A primeira coisa a fazer é estruturar os clubes. Se você tem clubes fortes, você tem um futebol forte. É que nem na política. A hora que os clubes disserem “eu não preciso de você (CBF e TV) porque eu tenho 200 mil sócios”, estaremos estruturados.

O treinador participou do Futebol de Verdade, da Rádio Globo, com Zico e Juninho Pernambucano. Acima, a entrevista completa com técnico alvinegro.

Fonte: Site da Rádio Globo