Ficou pronto o laudo de engenharia da OAS sobre o conserto do teto do Engenhão, que periga cair com ventos acima de 65km/h.

Segundo revela, neste sábado, a coluna Panorama Esportivo, do GLOBO, foram apresentadas duas alternativas pela empreiteira: na primeira, a colocação de um anel de compressão com aço especial, amarrando a estrutura atual; na segunda, a construção de uma estrutura auxiliar com novas fundações, para sustentar a atual cobertura.

A primeira opção aproveita a atual estrutura que suporta a cobertura, mas tem duas desvantagens: é mais cara e feia.

A segunda tornaria os arcos sobre o estádio meramente decorativos, porque o teto se apoiaria na nova estrutura de fundações.

A pior notícia para o Botafogo e o futebol do Rio: em qualquer das opções, o fim das obras, agora, é previsto somente para 2015, embora o Botafogo, o consórcio e a prefeitura, oficialmente, continuem alegando que o estádio ficará pronto antes do fim de 2014.

Em nota, o Consórcio Engenhão alega que o projeto de recuperação do estádio está em pleno andamento e que as obras serão finalizadas em novembro deste ano.

Consultada pelo GLOBO, a assessoria da prefeitura do Rio informou que trabalha apenas com o prazo dado pelo consórcio.

Interditado desde março

Localizado no bairro do Engenho de Dentro, Zona Norte do Rio, o Estádio Olímpico João Havelange foi inaugurado no dia 30 de junho de 2007 pelo então prefeito do Rio, Cesar Maia, para receber as competições de atletismo e futebol dos Jogos Pan-Americanos daquele ano. O estádio custou R$ 380 milhões. Meses depois, em agosto, o Botafogo venceu a licitação aberta pela prefeitura para o arrendamento do estádio, amarrando seu vínculo até 2027, com possibilidade de renovação por mais 20 anos.

A partir de 2010, o estádio foi rebatizado pela nova administração como ‘Stadium Rio’, com o objetivo de criar um laço maior com o mercado do entretenimento. Com capacidade para 46.831 pessoas, o Engenhão recebeu jogos de seis campeonatos estaduais (incluindo o de 2013), além dos mandos de campo de times do Rio para competições nacionais e internacionais.

Com a interdição do Maracanã em 2010, o Engenhão tornou-se o principal estádio do Rio, passando a receber todos os clássicos cariocas. Já a seleção brasileira só conheceu os gramados do estádio nas eliminatórias para a Copa de 2010, em partida contra a Bolívia, que contou com pouco mais de 30 mil torcedores. Além disso, foi palco de diversos shows internacionais, como os de Paul McCartney, Roger Waters e Justin Bieber.

Em março do ano passado, a prefeitura interditou o estádio por tempo indeterminado depois que um laudo apontou problemasna cobertura do estádio, que teria risco de cair. Desde então, o Botafogo só realizou treinos no local e passou a jogar em outros estádios. Com a reabertura do Maracanã, o time passou a jogar no principal estádio do Rio.

Com a intedição, a concessão ao Botafogo foi suspensa temporariamente e o prefeito do Rio, Eduardo Paes, reclamou das obras de construção do estádio, afirmando que ele foi feito “nas coxas, correndo em cima da hora”.

Fonte: O Globo Onlie