O atacante Roger era só sorrisos ao conceder entrevista coletiva no Estádio Nilton Santos nesta segunda-feira. Ele marcou dois gols no domingo, contra o Flamengo, e demonstrou muita confiança para a partida da próxima quarta-feira, contra o Grêmio.

– A confiança está lá em cima. As duas vitórias trouxeram muita alegria, muita paz. Nesses dois jogos fizemos o que não conseguimos fazer na semifinal. Estamos preparados, muito tranquilos para as quartas de final. Temos plenas condições de vencer o Grêmio aqui e nos classificarmos. Não tem favoritos nessas quartas; é uma equipe muito técnica e uma extremamente qualificada. A confiança está voltando, os grandes jogos também, os lesionados voltam. A gente entra muito forte, pode ter certeza que, se vier desclassificação, será muito suada.

Roger também falou sobre a situação de seu contrato. O vínculo com o Botafogo vai até dezembro deste ano, e o centroavante afirma que ainda não foi procurado. Ele deixou claro que gostaria de renovar o contrato. Apesar de não indicar insatisfação com a situação atual, o jogador disse que há um ‘dinamismo muito grande’ no futebol.

– Eu ainda não fui procurado pela diretoria. Respeito a ideia deles de esperar um pouco mais. O Botafogo está numa fase que não pode errar. Respeito a ideia do clube de se planejar, talvez achar que eu preciso mostrar algo a mais – afirmou. – Eles sabem o que estão fazendo, mas eu também sei o que estou fazendo: estou trabalhando forte, competindo. Preciso trabalhar, sou feliz aqui, espero renovar, mas sabemos como é o futebol, há um dinamismo muito grande.

Para a partida contra o Tricolor gaúcho, Roger destacou a importância de explorar o estilo de jogo do adversário para usar os contra-ataques, mas também de manter a posse de bola para criar mais oportunidades do que nas semifinais da Copa do Brasil contra o Flamengo, por exemplo.

– Na semifinal, não colocamos a bola no chão. Já no jogo do Bahia, do Flamengo (domingo), tivemos essa característica e aí criamos mais chances. Esse é o modelo a ser seguido. Modelo de aproximação, sem perder a característica de contra golpear. Ontem ficou provado que quando tocamos a bola bem, giramos, as oportunidades aparecem muito mais. Até falei que três ou quatro gols não seria absurdo, porque criamos bastante oportunidades. É isso que tenho defendido. Ter a posse de bola e definir mais. Se conseguirmos ter cinco ou seis chances em todos os jogos, teremos mais chances de vencer. Então é enfrentar o Grêmio de igual para igual e acredito que vamos vencer.

Confira outros trechos da entrevista coletiva:

ELENCO COMPLETO

Acho que isso é ótimo, não só para o treinador como para o grupo todo. Parte-se de um princípio que três, pelo menos, que estão retornando são titulares no momento. O Jair ganha mais chances, mais opções, é muito boa a volta do Lindo, João, Carli, Marquinhos. Todos prontos para fazer um grande jogo na quarta, dar mais opção para o Jair. O momento é de força 100%. Ficamos tristes pelo Leandrinho, que vinha num bom momento, treinando forte. E as notícias que chegaram hoje são de lesão muito grave. Ele vinha fazendo um jogo muito bom ontem.

ARTILHARIA

Muito feliz, momento feliz tanto profissional como pessoal. Deus me abençoa bastante, sempre agradeço a ele por poder fazer o que amo. Tenho um emprego neste país. Estou feliz pelos gols, pelo clássico, precisávamos vencê-los, já estava virando motivo de chacota. Tudo isso foi motivo de alegria para mim.

JOGAR DENTRO OU FORA DE CASA

Acho que todas as equipes têm tido o fator casa, ele tem sido determinante para fazer uma boa campanha e se classificar nos mata-matas. Com eles e todos que jogamos fora encontramos dificuldades. O jogo contra o Grêmio nos facilita fazer nosso melhor jogo, contra golpear com excelência. É o que sabemos fazer e fizemos por 9 meses. O Grêmio é uma excelente equipe, mas quem joga daquele jeito dá espaço. Estaremos diante da nossa torcida, numa festa maravilhosa, quartas de final, sabemos que precisamos de um grande resultado para fazer um jogo mais estratégico ainda lá. Então é vencer.

O QUE MUDAR DA SEMIFINAL CONTRA O FLAMENGO

Quanto à semifinal, a decepção foi muito grande. A forma que nós saímos. A gente também ficou com a sensação de que poderíamos ter feito muito mais, tido mais posse de bola. A determinação, garra, empenho, isso não falta e não vai faltar aqui. Esse time tem essa característica. A diferença foi que ontem colocamos a bola no chão, confiamos. Quando se sai com a bola dominada, se tem muito mais chances de criar oportunidades. Foi isso que fizemos e temos que fazer na quarta-feira.

DIFERENCIAIS DO GRÊMIO

O grande destaque deles é o Luan. Um jogador muito dinâmico, joga na linha dos zagueiros, mas também vem buscar a bola. Eles têm uma grande perda com o Pedro Rocha, ele podia fazer a diferença. Gosto também do Michel, volante canhoto, um bom passador. É uma grande equipe, bem treinada, jogadores experientes como Edilson, Leo, Geromel. Mas nós também somos uma equipe rodada, malandra, que vai saber jogar o jogo como deve ser jogado. Tem tudo para ser um grande jogo.

QUAL É A CARA DO BOTAFOGO?

É uma equipe que criou uma identidade. A identidade do Botafogo é se entregar. Nosso lema é “treine com seriedade, faça seu melhor todos os dias”. Eu cobro de todos que treinem no limite, porque quem treina no limite joga no limite. E isso virou uma identidade muito forte. Agora, não sei dizer qual é a receita, de onde vem, mas isso existe. Somos de característica que não se entrega, luta por todas as bolas, e fará de tudo para estar na semifinal. O ano do Botafogo merece essa classificação. O torcedor tem feito de tudo, lotado estádio. E ele pode ter certeza que vai ver um time de muita luta, determinação e muita qualidade. Às vezes esquecem de destacar que somos muito qualificados.

MÁ FASE DO GRÊMIO AJUDA?

Eu sinceramente acho que a Libertadores é outra pegada. Não sei explicar isso para vocês, mas a atmosfera é outra, a concentração é outra. Na semana em que você tem Libertadores, os treinamentos são outra pegada. Então não faz nenhuma diferença. Sabemos que vamos contra uma grande equipe, preparada para vencer. Não vejo vantagem nisso. Talvez eles terem perdido o Maicon, que domina muito o jogo por trás e faz a bola girar, essa sim seja a nossa vantagem. Mas acho que não tem uma fraqueza não. O Grêmio é forte vencendo ou perdendo.

RIVAL BRASILEIRO NA LIBERTADORES

Deixa a coisa 50-50. Já nos enfrentamos no Brasileiro, uma derrota para cada. As equipes já se conhecem, eu enfrento esses caras mais experientes há dez anos. Então a diferença é essa, você conhecer muito bem a equipe, conseguir ver eles jogando quarta e domingo e vice-versa. Saber a fundo as características de cada um. Isso deixa a coisa muito parelha. Não vejo muita vantagem nisso. É difícil vencer um Grêmio ou Botafogo. Não vejo nenhuma vantagem para um ou para outro.

MAIS UM CLÁSSICO?

Sim, estou motivado, com saudades de marcar, faz tempo que não marco na Libertadores. Consegui fazer gol, ter boa performance. Essa semana de treino, esses doze, treze dias foram ideais para tirar a tensão, voltar a treinar forte. Estou pronto, confiante para esse jogo. Que seja um grande jogo e vamos botar a bola para dentro se Deus quiser.

VALENCIA

Eu só falei que o João está voltando a treinar (risos). As características são diferentes, o João é mais passador, pensador, que ajusta o nosso time. Ele é o grande pensador do Botafogo este ano, o Valencia é um meia mais agudo, que joga para frente, tem drible, finalização. Quem o Jair escolher, estaremos bem servidos. O Leo fez um grande jogo, talvez o melhor pelo Botafogo desde a chegada… E o João está voltando, é um cara que todos conhecem, vai bem desde o início do ano. Quem o Jair optar vai dar conta do recado.

APELIDO ‘RAJADA’

O Marcelo que colocou esse apelido. Ele fala que sou rajada, faço gol. Brinca, é coisa nossa, de vestiário. Ele é um menino especial, tem uma história muito bonita de vida, de superação. Sempre falo de joias, ele é uma joia. Claro que precisa ser lapidada, mas tem mostrado que é um grande jogador, dá conta quando o Carli não joga. É especial, brincamos, dou liberdade até demais para a molecada.

PIMPÃO

Todo mundo está leve. Vitória contra o maior rival traz isso. O Rodrigo Pimpão é a cara do Botafogo, dificilmente consegue acabar os jogos porque se entrega ao extremo. Às vezes acaba deixando de ser atacante para ser marcador. Tudo que ele está vivendo este ano tem seu limite. Fico feliz pelo sucesso dele, está de contrato renovado, mais leve, tem 24 meses para cuidar das crianças. Vou trabalhar para ele fazer mais um gol. Vamos ver se ele faz um, dois. Isso é muito bom para o grupo.

Fonte: Extra Online