Time do Botafogo faz pacto e promete correr por Jobson na decisão contra o Vasco

Compartilhe:

O Botafogo espera transformar uma má notícia em combustível para o primeiro jogo da decisão do Campeonato Carioca, neste domingo, contra o Vasco, às 16h. A suspensão de quatro anos imposta pela Fifa a Jobson, por este ter se recusado a realizar um exame antidoping quando atuava no Al-Ittihad, da Arábia Saudita, em 2014, pegou a todos de surpresa. Sensibilizados com a situação de Jobson, que, muito abalado sequer treinou nesta sexta, os jogadores fizeram um pacto e vão fazer de tudo para vencer o primeiro jogo e dedicar a vitória ao atacante.

— Fomos pegos de surpresa e torcemos para que tudo se resolva da melhor maneira possível. Jobson tem nos ajudado muito desde o início do ano e temos que usar o que aconteceu com ele como uma motivação a mais. Agora vamos correr por nós e por ele — disse o também atacante Rodrigo Pimpão, que já estava escalado exatamente no lugar de Jobson para enfrentar o Vasco, amanhã, no Maracanã.

CLUBE TEME RECAÍDA

O técnico René Simões se reuniu com Jobson assim que chegou ontem ao Estádio Nílton Santos. Teve uma conversa com o jogador, presenciada pelo goleiro Jefferson. O treinador, que já havia trabalhado com Jóbson no Bahia e teve problemas com o comportamento do atacante, está impressionado com o carinho que o grupo tem com ele.

— Na época do Bahia ninguém estaria nem aí. Iam até torcer para ele pegar seis anos de punição. Agora é completamente diferente. Não tenho dúvida da importância deste grupo na recuperação do Jobson. Vamos jogar por ele. Ele vai ser campeão conosco — frisou o técnico.

Na conversa que teve com o jogador, René pediu que o próprio contasse o que realmente aconteceu.

— Tivemos uma conversa longa. Conheço bem o mundo árabe. Segundo o Jóbson, os árabes deviam dinheiro a ele e quiseram fazer o exame. Não existe droga na Arábia Saudita, o problema não era este. Ele disse que tinha um intérprete que falava espanhol. Ele não entendeu bem e ficou com medo de fazer o exame, pois podiam armar alguma coisa contra ele.

Mais do que tentar um efeito suspensivo, a preocupação do Botafogo, no momento, é como o jogador vai reagir ao baque. Ontem, como era de se esperar, Jobson estava arrasado. Logo após a conversa com René Simões, o jogador foi mandado para casa.

O treinador admitiu que há no clube o receio de que Jobson tenha uma recaída. Por isso, ele será acompanhado de perto por uma pessoa da comissão técnica. A função caberá a Paulo Serrano, integrante da comissão técnica que tem boa relação com o atacante.

— É lógico que ele não está com a cabeça boa. O René conversou com o Jóbson e o tranquilizou. O Botafogo vai dar todo apoio a ele. Contamos com o Jóbson — disse o gerente de futebol Antônio Lopes.

O contrato do atacante termina daqui a dois meses. Clube e jogador estavam negociando uma renovação, mas agora tudo voltou à estaca zero.



Fonte: O Globo Online
Comentários