Derrotado em primeira instância no processo que movou contra o humorístico “Porta dos Fundos”, o Departamento Jurídico do Botafogo mantém a confiança de vencer na Justiça. O vice jurídico Domingos Fleury criticou a decisão inicial, que obriga o clube a pagar R$ 120 mil a advogados.

– O juiz entendeu que era um exercício normal da atividade de imprensa, que era uma crítrica à política de marketing dos clubes e que o “Porta dos Fundos” não tinha intuito de lucro com aquele vídeo. O que é o mais completo absurdo porque nos autos nem tem prova disso. Para proferir uma sentença dessas, primeiro ele inventou que não tinha fins comerciais, só poderia ser feita essa afirmação após uma perícia. E segundo que não estaria havendo ali um uso indevido e abuso pejorativo da marca do Botafogo – comentou Fleury ao site “Globoesporte.com”.

O Botafogo reclama do uso de seu uniforme em um vídeo chamado “Patrocínio”, no qual o “Porta dos Fundos” ironizou os patrocinadores do clube e tirou sarro, em 2015. O clube vai recorrer e crê que pode ganhar R$ 5 milhões.

– O Juiz não determinou nenhuma prova do que o Botafogo pediu. Vamos recorrer no Trinunal de Justiça do Rio de Janeiro. Vamos desafiá-lo a esclarecer onde consta nos autos que o “Porta dos Fundos” não ganhou dinheiro com aquele vídeo. E para que sejam respeitadas as marcas do Botafogo impedindo de serem utilizadas sem autorização. É uma sentença muito fraca, estamos confiantes em revertê-la. E quem ganhar em segunda instância vai praticamente encerrar o processo, pois tem poucas chances de reverter em Brasília – disse Domingos Fleury.

Fonte: Globoesporte.com