Ainda sem encontrar o tom certo do time do Botafogo, Zé Ricardo tem um problema especial no setor defensivo. Com a saída de Igor Rabello, negociado com o Atlético Mineiro, e as sucessivas ausências de Joel Carli por problemas físicos ou de lesão, o time perdeu altura em seu miolo de zaga e passou a sofrer com jogadas de bola aérea.

Para se ter uma ideia, seis dos 14 gols sofridos pelo Alvinegro na temporada foram originados em jogadas áereas. Duas delas, em clássicos: Bruno Henrique, do Flamengo, e Pikachu, do Vasco, superaram os defensores botafoguenses de cabeça e marcaram sobre a equipe de Zé Ricardo. O time chegou a sofrer dois gols de cabeça no mesmo jogo, no empate em 2 a 2 com o Americano, no dia 24 de março, pela última rodada da Taça Rio.

No time titular atual, se firmaram na defesa Marcelo Benevenuto e Gabriel, ambos com 1,81m de altura. Cenário bem diferente de 2018, quando contava com os 1,91m ostentados tanto por Igor Rabello, quanto por Joel Carli. Na lateral-esquerda, outra posição que sofreu mudanças desde a última temporada, outra redução de estatura: saiu Moisés, com 1,81m, e entrou o jovem Jonathan, com 1,72m.

Enquanto Joel Carli segue em processo de recuperação de uma artroscopia no joelho — só volta na estreia no Brasileirão, no dia 27, contra o São Paulo — Zé Ricardo precisa contornar a dificuldade antes que ela se converta em uma falha constante.

Fonte: Extra Online