Quando o assunto é Antônio Lopes, a primeira associação imaginada é o Vasco. Pelo Cruz-maltino, diversos títulos, como a Copa Libertadores de 1998, além do posto de técnico recordista de jogos à frente do time, com mais de 600. No próximo domingo, porém, Antônio Lopes e o Vasco estarão em lados opostos. Hoje gerente de futebol do Botafogo, Lopes não nega a grande amizade com o presidente Eurico Miranda. Mas, apesar do carinho que tem pelo agora rival, o ex-delegado garante sua fome pelo título de campeão.

— Tenho muitos amigos no Vasco. Eurico Miranda é meu camarada de longa data. Além dele, tenho um carinho enorme pelo José Luiz Moreira (vice de futebol) e pelo Paulo Angione (gerente de futebol). Mas, na hora em que a bola rolar, são eles lá e eu cá. Quero ganhar esse título — cravou Lopes em conversa com o Jogo Extra.

Agora dirigente, Lopes confessa que a sensação de frio na barriga não o afeta mais a dois dias da decisão. O homem forte do futebol alvinegro revela que as conquistas, e as tristezas, o fizeram lidar com a ansiedade.

— Já passei por muita coisa e participei de tantas finais. Até Copa do Mundo já enfrentei. Não existe nada de especial em enfrentar o Vasco. Já enfrentei o clube diversas vezes, e não será diferente nessa final — disse o gerente, lembrando o trabalho de coordenador técnico da seleção na Copa de 2002.

Quase quatro meses depois de iniciar o trabalho em General Severiano, nem mesmo Lopes esperava disputar uma final tão rapidamente. Mas, para quem tem a vantagem de dois empates na decisão, o pensamento agora é força total pelo 21º título estadual:

— Confesso que eu não esperava disputar uma decisão. Antes de o campeonato começar, eu não apostaria no Botafogo. Tínhamos apenas oito jogadores com contrato. Acertamos nos nomes que chegaram e na comissão técnica formada pelo René.

Fonte: Extra Online