Antes intocável, Lodeiro cai de produção e vê prestígio diminuir no Botafogo

Compartilhe:

No início da temporada, com ótimas atuações e alguns golaços, Lodeiro era tido como o parceiro ideal de Seedorf. Afinal, se o camisa 10 era o responsável por pensar o jogo, era o uruguaio quem fazia o papel de “formiguinha”. Contudo, os tempos mudaram. O próprio Seedorf não é o mesmo, tendo alternado entre boas e más atuações. Mas Lodeiro nem isso. Caiu tanto, que perdeu a vaga de titular, que ninguém questionava durante o ano.

Apesar da introspecção, ficou nítido que o camisa 14 não gostou da barração, anunciada pelo técnico Oswaldo de Oliveira apenas minutos antes do início da partida contra o Atlético-MG. Ele ficou com a cara fechada no banco de reservas, vestindo a camisa de treino sob o colete, sem usar a de jogo.

– Sempre quero jogar, ainda mais nesse momento difícil para ajudar o time. Mas o mais importante é a vitória do Botafogo – justificou Lodeiro à Rádio Tupi, após o fim da partida.

Essa insatisfação não é novidade na passagem de Lodeiro por General Severiano. No ano passado, quando ainda não tinha vaga cativa, o atleta entrava e saía com frequência do time titular e fazia cara de poucos amigos quando era subtituído por Oswaldo.

– Já conheço o gênio do Lodeiro. Ele é assim mesmo. Estranharia se ele não reclamasse de ficar no banco. Infelizmente, de vez em quando, tenho de submeter alguns atletas a essa situação. Encaro isso com muita naturalidade – contemporizou Oswaldo de Oliveira, um dos grandes entusiastas do futebol do uruguaio dentro do clube.

Na última janela de transferências, um clube russo fez uma proposta milionária, acima do valor da multa rescisória para levar Lodeiro. No entanto, o jogador não quis sair e afirmou que ficaria para marcar o nome da história do clube. E isso ainda é possível. Basta reencontrar o bom futebol e ajudar a levar o Alvinegro de volta à Libertadores.

PRESTÍGIO NA SELEÇÃO URUGUAIA DIMINUIU

Não é só no Botafogo que o prestígio de Lodeiro caiu. Na seleção do Uruguai ele também perdeu espaço com a má fase que tem atravessado. Se em algumas oportunidades era escalado como titular pelo técnico Óscar Tabárez, nos últimos jogos da Celeste quase não foi utilizado nem sequer no segundo tempo das partidas.

No decisivo clássico contra a Argentina, pelas Eliminatórias Sul-Americanas da Copa do Mundo de 2014, no último dia 15 de outubro, por exemplo, ele nem entrou em campo. O Uruguai acabou vencendo por 3 a 2, mas terá que disputar a repescagem contra a Jordânia, representante da Ásia.

Apesar disso, o nome do camisa 14 do Botafogo é presença constante nas convocações. No entanto, já é hora de ele abrir o olho e voltar a jogar bem, sob o risco de participar da Copa do Mundo, logo aqui no Brasil.

Fonte: Lancenet!

Comentários