Todos apostavam que, com a suspensão de Matheus Fernandes, Jean, que já havia trabalhado com Zé Ricardo no Vasco (em 2017), seria o escolhido para ser titular contra o Galo. Mas foi Bochecha quem assumiu a bronca e, ao lado de Rodrigo Lindoso, se destacou com bons lançamentos e personalidade na saída de bola.

No segundo tempo, o jovem volante foi substituído na casa dos 25 minutos, quando o Botafogo já perdia por 1 a 0, para dar lugar a Brenner, o que, no fim das contas, tornou-se prejudicial para o time de Zé Ricardo, que ficou mais exposto e escapou por detalhes de uma goleada histórica. E, após o jogo, o treinador fez questão de elogiar Bochecha, de 22 anos.

– No título do Brasileiro sub-20 (em 2016) foi muito bem. Fazia muito tempo que ele não jogava. Imaginava que ele não aguentasse muito tempo, resolvi apostar no Rodrigo (Lindoso). É um jogador talentoso e, com ritmo de jogo, tem muito a acrescentar no decorrer do ano. Pode evoluir – salientou o técnico.De fato, Gustavo não era acionado desde o jogo contra o Vitória, pela 7ª rodada do Brasileirão e realizado no dia 27 de maio. Na ocasião, ainda comandado por Alberto Valentim, também iniciou entre os 11, mas, muito vaiado após um recuo que culminou em um erro de Jefferson e gol dos rivais, foi substituído no intervalo – a partida terminou empatada em 1 a 1.

Ao menos, diante do Galo, Gustavo Bochecha teve o reconhecimento por boa parte da torcida, que o aplaudiu e o elogiou nas redes sociais. Zé Ricardo soube que pode contar com o garoto em meio a um elenco limitado e que necessita de pratas da casa confiantes para que o time dê liga – como tem sido com Matheus Fernandes, Igor Rabello e Marcinho, por exemplo.

Fonte: Terra