O Botafogo é líder isolado do Campeonato Carioca com méritos. Mas nem o mais otimista do torcedores poderia prever um começo de temporada tão bom. O próprio treinador alvinegro parecia cético quanto à possibilidade de uma sequência tão favorável nas sete rodadas iniciais: o time tem 90,47% de aproveitamento até aqui. Pois neste domingo, no clássico contra o Flamengo, seu conhecimento sobre o elenco foi fundamental para a vitória por 1 a 0. As substituições feitas pelo técnico deram a vitória ao Botafogo. Se pelo lado do Flamengo Léo Moura dava seu adeus, no Botafogo Tomas finalmente estreava.

— Não seria errado uma pessoa que avaliava de fora dizer que o Botafogo não era favorito. Flamengo e Fluminense mantiveram boa parte de seus elencos, o Vasco reformulou, mas tem mais dinheiro. Nós estamos com um time novo, que não se conhecia. Se o Flamengo tivesse vencido, não seria injusto. Eles dominaram boa parte do jogo. Mas fizemos um bom trabalho. Os jogadores são muito aplicados — disse René Simões, que não gosta de avaliar o jogo antes de rever as imagens.

Em uma primeira olhada, René gostou da atuação de Tomas. Mesmo tendo feito um primeiro tempo ruim, com uma atuação apagada, o estreante do Maracanã agradou ao treinador. René temia o efeito que o estádio pudesse causar num novato como ele:

— O Tomas é um jogador de muito potencial. Não é qualquer meia que marca 15 gols em uma temporada (2014). Fizemos de tudo para trazê-lo. Meu único medo era o Maracanã. Estava com medo de a equipe dar uma paralisada. Parabenizo o pessoal da análise de desempenho, tínhamos o Flamengo todo mapeado — disse René.

Ter o Flamengo “nas mãos” foi importante para que René, ainda no primeiro tempo, decidisse substituir Diego Jardel e mudar a forma tática do time. Vindo de lesão e sem ritmo, o meia deu lugar ao atacante Sassá. Com isso, a linha de frente alvinegra se equilibrou.

— Vanderlei usou três sistemas táticos, isso tudo foi estudado, os jogadores receberam orientação, mas por faltar essa experiência, com quatro no meio contra um time de três atacantes, o domínio tinha de ser nosso, mas não foi. Depois que mudei, ficamos com três a três, e o Vanderlei fez uma nova mudança no segundo tempo. Tivemos de nos adaptar. Se o Flamengo ganhasse, não seria nenhum absurdo. Essa vitória não tem nenhum sabor especial por ter sido contra o Flamengo. Agora vou querer saber os indicadores da equipe, saber no que melhoramos, no que pioramos. O Botafogo conseguiu bolas na trave, foi objetivo e criou as oportunidades. O resultado veio da aplicação dos nossos jogadores — elogiou René.

Agora, o treinador pretende corrigir os erros. O Botafogo volta a campo em outro clássico, no domingo, contra o Fluminense. Durante a semana, o departamento médico espera concluir a recuperação de Rodrigo Pimpão.

Fonte: O Globo Online