Eduardo Barroca chegou ao Botafogo e logo prometeu que a prioridade era lutar pelo máximo de pontos antes do recesso para a Copa América. A missão foi concluída com sucesso e o time fechou a primeira parte da competição na 7ª posição, com 15 pontos – um atrás do Goiás, parcialmente no limite para a vaga na pré-Libertadores. Com a parada, o treinador agora busca ajustar alguns erros que vinham se repetindo no Alvinegro nos últimos jogos.

O principal dele é a posse de bola pouco efetiva. De acordo com os números do Footstats, o Botafogo é o quarto time que mais fica com o comando da bola. Ao mesmo tempo, porém, é a segunda equipe que menos finaliza, atrás apenas do Corinthians.

Como se já não bastasse, outra característica expõe ainda mais o problema. Os jogadores do Botafogo que mais ficam com a posse de bola são justamente os zagueiros Joel Carli e Gabriel. O terceiro é Cícero, jogador do meio de campo que mais recua para armas as jogadas.

Isso representa que o Botafogo é um time que fica bastante com a posse de bola, mas quase não agride os adversários. E foi justamente algo que Barroca disse que não gostaria que ocorresse com sua equipe. Um exemplo disso ocorreu na derrota por 1 a 0 sobre o Goiás, no Serra Dourada.

“É um problema que tivemos desde o começo do jogo e ele se manteve no segundo tempo. A gente teve a bola a maior parte do tempo, algo próximo de 68%. Mas, infelizmente, a gente não conseguiu transformar isso em oportunidades”, disse o treinador na oportunidade.

Após o período de férias, Eduardo Barroca terá cerca de 20 dias para ajustar esse e outros problemas identificados pela comissão técnica. O trabalho com o grupo completo começou na última segunda-feira e seguirá até o dia 14, quando entrará em campo para enfrentar o Cruzeiro, no Mineirão.

Fonte: UOL