Número de grande simbolismo em General Severiano, o 7 é um marco para o Botafogo no Brasileiro e representa a soma de jogos em sequência sem derrota. Com mais quatro rodadas pela frente e em quinto lugar na tabela, na zona de classificação para a Libertadores, o alvinegro está em posição confortável, mas não acomodado.

Ao analisar a última partida, na qual empatou com o Flamengo, o técnico Jair Ventura não se prendeu ao placar nem ao passado. Para ele, o futuro do Botafogo e o ingresso na Libertadores passa por vitórias. Mesmo com o bom desempenho no Maracanã e no retrospecto, o treinador lembrou que a equipe empatou os dois últimos jogos.

— Com empate, não é possível levar o Botafogo mais alto na tabela. Então, não saio satisfeito, não. Para quem não empatava, empatar há dois jogos não é nada bom, mas também são sete jogos sem perder — disse Jair Ventura.

O técnico é cauteloso para não atropelar os planos traçados para alcançar o objetivo principal. E se preocupa em não perder a concentração na competição em curso:

— Não posso falar em Libertadores e 2017. Estou concentrado no próximo jogo.

Na derradeira sequência do Brasileiro, o Botafogo receberá a Chapecoense na quarta-feira no Estádio Luso-Brasileiro. Depois, visitará o líder Palmeiras, fará o último jogo em casa contra a Ponte Preta e terminará a sua participação na competição nacional diante do Grêmio, em Porto Alegre. Em tese, é uma tabela equilibrada, mas que requer cuidados para evitar tropeços desnecessários.

— Todos os times têm suas pretensões, os jogos ficam com uma atmosfera de final, e vai ficando difícil. Não é pela situação do nosso time, mas os adversários vão dando a vida — ressaltou o técnico.

Mesmo sem querer prever como será o próximo ano, o treinador garante ter recebido boa notícia ao saber da contratação do atacante Roger, ex-Ponte Preta, primeiro reforço para a próxima temporada:

— É um exímio finalizador.

Fonte: O Globo Online