O Botafogo ousou e virou notícia nos últimos anos por alguns de seus contratos de patrocínio. Em 2017, durante as duas últimas partidas do Campeonato Brasileiro, fechou um acordo pontual com a empresa de coxinhas dos youtubers Felipe e Luccas Neto.

Celebridades da web, juntos, os irmãos tem mais de 30 milhões de inscritos em seus canais pessoais na plataforma de vídeos, e mais 7 milhões em um canal conjunto. O “Efeito Neto” não demorou para aparecer para o clube carioca. Em poucos dias, o Botafogo viu sua Web TV dobrar o número de inscritos, e a venda de camisetas intanfis

Não à toa, as negociações para um contrato maior começaram e hoje o vínculo assinado, após a experiência pontual, é para toda a temporada 2018. No sábado, a dupla inaugurou dois quiosques de sua empresa no Engenhão. Botafoguense, Felipe Neto disse ao Estado que as ações foram planejadas com o marketing do clube, e que os resultados positivos só apareceram por causa do planejamento.

“Acredito muito na força dos patrocínios pontuais, se bem planejados”, avalia o youtuber. “Estampar sua marca por um jogo, apenas por estampar, sem qualquer ação pontual planejada e um motivo concreto para a realização daquele patrocínio, não vejo como algo tão interessante, principalmente para o clube, que acaba recebendo pouco e expondo muito.”

Felipe lembra que a ação com o Botafogo movimentou as redes sociais – um dos locais de trabalho dele e do irmão. “O retorno foi fantástico, tanto que na mesma hora renovamos para o jogo seguinte e já começamos as conversas para transformar a ação pontual em fixa para o ano inteiro. A repercussão foi em nível mundial. Jornais da França e Argentina cobriram a ação e o Twitter praticamente só falou disso o dia inteiro em que foi anunciado o patrocínio.”

Em 2015, o clube tirou a paciência de muitos torcedores quando fez uma parceria com uma empresa de atacado e estampou anúncios de promoções, com preço e tudo, na barra superior das costas dos uniformes de seus jogadores. Expressões como “Secador 1900W por R$ 49”, na camisa do time, foram desaprovadas pela torcida.

O time chegou a ser satirizado pelo canal humorístico Porta dos Fundos, também do Youtube, que brincaram com o tipo e o número de patrocinadores do clube na época. O Botafogo entrou com uma ação na Justiça contra o canal, mas perdeu o processo. A decisão em segunda instância foi divulgada na semana passada.

Fonte: Estadão