Depois do show, o aconchego da terra natal para confirmar as expectativas. Centro das atenções desde os três gols feitos nos 6 a 0 sobre o Criciúma, sábado, no Maracanã, pelo Brasileiro, Daniel joga nesta quarta, pela primeira vez como profissional, em Juiz de Fora, cidade em que nasceu. O Botafogo encara o Goiás, às 22h, com a torcida a seu favor e a esperança no surgimento de um novo ídolo.

Nem nos melhores sonhos, o mineirinho imaginara retorno tão triunfal. Com a bola cheia, Daniel terá sobre si todos os holofotes e espera ganhar mais confiança com presença de amigos e familiares.

“É uma motivação grande jogar em Juiz de Fora, onde nasci, mas nunca atuei. Com certeza minha família estará acompanhando e torcendo por mim. A expectativa é que vá muita gente ao estádio”, disse o garoto de 20 anos.

O meia era a peça que Mancini procurava para fechar o quebra-cabeça alvinegro. Sua velocidade e objetividade encantaram o treinador e o transformaram no principal responsável pela criação no meio-campo.

Sereno e muito tímido, o camisa 31 não quis vestir o uniforme de super-herói após a vitória sobre o Criciúma. Mesmo sabendo do jeito ‘mineirinho’, sem alarde, de Daniel, Vagner Mancini fez questão de certificar-se de que a cabeça do garoto não foi afetada pelos três gols.

“Nos tivemos o cuidado de falar muito com ele. Não só eu, mas vi todos os atletas conversando com ele para que não haja empolgação, porque no futebol é muito estreita a linha entre o luxo e o lixo. Para que ele tenha a paciência necessária. Ele sabe que a cobrança vai ser maior e está tranquilo”, contou o treinador do Botafogo.

Pela primeira vez, o técnico repetirá uma escalação e a confiança numa outra boa atuação de Daniel é tão grande quanto a timidez do mineiro.

Fonte: O Dia Online