Arthur Dapieve, botafoguense: ‘No dia que eu for confiante eu estarei morto’

Compartilhe:

Talvez o clássico carioca mais importante do ano até aqui, o duelo entre Botafogo e Flamendo decide uma vaga na semifinal da Copa do Brasil. A hora da decisão é quando as características de cada torcida mais afloram. No “Redação SporTV”, o jornalista Arthur Dapieve avisa, bem ao estilo botafoguense, que está ressabiado com o confronto

A torcida do clube da estrela solitária é conhecida por sua postura sem muita euforia, exatamente o oposto dos rubro-negros. O colunista de O Globo acha que o jogo é importante para o Botafogo, mas não tão decisivo assim já que o alvinegro ainda briga por uma vaga no G-4 do Brasileirão.

– É um jogo importante, agora o Botafogo tem outros jogos mais importantes pela frente no campeonato brasileiro, não são mata-mata, mas lá no final das contas pode desembocar mais ou menos a mesma coisa né. A diferença é que a Copa do Brasil poderia dar um título nacional ao Botafogo esse ano, e o campeonato brasileiro aparentemente está fora de alcance, só se o Cruzeiro entrasse em coma nas últimas rodadas é que perderia o título. O jogo para o Botafogo não tem o peso que tem para o Flamengo, pro Fla é realmente o ano que está sendo jogado ali, e não é a decisão, é apenas a quarta de final. Aliás, o Botafogo, nesta terça, se classificou na Copa do Brasil Sub-20, desfalcado de todos os jogadores que estão no profissional, eliminou o Grêmio nos pênaltis e já está na semifinal – explicou Dapieve.

Para explicar melhor o perfil calado e sarcástico dos botafoguenses, o jornalista recorre à imprevisibilidade do futebol.

– É porque o futebol é ilógico. Poupam-se os titulares, tanto o Flamengo quanto o Botafogo, em outro esporte talvez isso tivesse um decorrência imediata, mas no futebol pode acontecer qualquer coisa, os reservas do Botafogo quase ganharam do Vasco, então podia trocar completamente, não tem uma lógica nesse negócio. Na verdade os vascaínos são um pouco parecidos com nós alvinegros, e os tricolores são parecidos com os flamenguistas nessa ciclotimia, nessa euforia e depressão – analisa o jornalista.

Rafael Marques jogo Botafogo e Flamengo (Foto: Vitor Silva / SSPress)Elias e Rafael Marques são dois grandes nomes do confronto desta quarta (Foto: Vitor Silva / SSPress)

Instigado novamente sobre sua confiança na duelo desta quarta a noite, Dapieve voltou a mostrar sua visão precavida de torcedor e segundo Xico Sá, jornalista da Folha de S.Paulo que também compunha a bancada, resumiu definitivamente o espírito botafoguense.

– No dia que eu for confiante, eu estarei morto, mas também não estou desconfiante. Faz parte da minha psiquê – explicou Dapieve.

Depois negou ter superstições, lembrando que se o jogo for para os pênaltis o Bota já tem um histórico recente positivo.

– O Sub-20 ganhou na terça nos pênaltis. Eu tenho gato preto em casa, não sou superticioso.

De 2007 para cá, nos 35 jogos entre Flamengo e Botafogo, 20 jogos (57,14%) terminaram empatados. Quando houve um vencedor, o Fla venceu nove partidas (25,71%) e o Botafogo ganhou seis jogos (17,14%)

– Viu! Isso explica minha reticência – encerrou o jornalista.

Fonte: SporTV.com

Comentários