Artilheiro da Conmebol, Sinval recorda final do Botafogo contra Peñarol: ‘Marcou minha vida’

0 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

Sinval na homenagem do Botafogo aos campeões da Copa Conmebol de 1993 no Maracanã em 2013
Vitor Silva/Botafogo

Dono da camisa 9 do Botafogo e artilheiro do campeonato, com oito gols, Sinval enxerga a conquista da Copa Conmebol de 1993, até então, único título internacional de um clube carioca no Maracanã, como um divisor de águas na sua vida. O jogo de ida, contra o Peñarol em Montevidéu, terminou 1 a 1. Na segunda partida, com belíssimo gol de Sinval, mas o placar final em 2 a 2, o vencedor teve de ser decidido nos pênaltis.

— O fato de eu estar aqui, depois de 27 anos, falando sobre essa vitória, sendo ouvido e reverenciado pela torcida do Botafogo, é a prova de como aquele jogo no Maracanã marcou para sempre minha carreira e minha vida. É uma enorme satisfação saber que você cumpriu sua missão com louvor — afirmou o ex-atacante

O golaço de falta

Aos 22 minutos do segundo tempo, em jogada ensaiada, de uma distância que o próprio jogador diz ser de uns 40 metros, Sinval cobrou falta que encobriu o goleiro uruguaio do Peñarol, Rabadja, virando o jogo para o Botafogo. Era uma época em que o Maracanã suportava, eventualmente, mais de 100 mil torcedores e que convidava toda criança a sonhar com a possibilidade de, um dia, estar no centro daquele espetáculo.

— O Maracanã é o local de um sonho que se tornou realidade. Cresci numa época em que aquele estádio era a referência máxima de futebol brasileiro. Humildemente, meu maior desejo era só conseguir pisar no gramado, mas eu fui muito mais além: eu joguei, fiz gol em final e ainda fui campeão. Refletir, olhar pra trás e ver esse caminho trilhado é algo que é difícil até mesmo de explicar com palavras — disse.

Loja do FogãoNET por Estilo Piti | O Site oficial do torcedor do Botafogo | Cupom de 10% de desconto

Talvez movido por esse sentimento de sonho realizado, Sinval comenta que ainda é capaz de se arrepiar ao fazer um exercício mental de volta àqueles tempos.

— O túnel de acesso, a visão do campo para arquibancada, são coisas que vêm à cabeça. A explosão da torcida no gol, aquela sensação de vitória do título. São coisas que ficam marcadas pra sempre dentro de quem viveu — finaliza Sinval.

Fonte: O Globo Online

Notícias relacionadas