O Botafogo deu adeus a Copa Sul-Americana após ser derrotado para o Atlético-MG, na noite desta quarta-feira. No primeiro jogo, o Galo venceu por 1 a 0, e no agregado o resultado foi 3 a 0. Após o jogo, Eduardo Barroca lamentou a eliminação e acredita em dias melhores no Botafogo.

Mau no Campeonato Brasileiro e a eliminação na Copa Sul-Americana não desanimou o técnico Eduardo Barroca. O comandante alvinegro exaltou o caráter do grupo, e disse ter certeza de que o mau momento terminará.

“Acho que fizemos um primeiro tempo excelente. Os jogadores se impuseram, criamos diversas chances de gol, finalizações, cruzamentos, infiltrações. Infelizmente não conseguimos transformar esse controle e volume na vantagem que tanto precisávamos. No segundo tempo, o Atlético-MG subiu a marcação. Seguimos com controle, mas tivemos dificuldade de progredir. Em jogos eliminatórios assim, você enfrenta o rival e o tempo. Tínhamos a obrigação de vencer. Isso vai causando ansiedade, os jogadores passam a tomar decisões erradas. O Atlético-MG tem experiência, soube esfriar o jogo. Precisávamos nos expor e veio o pênalti”, e para completar, o treinador disse:

“Em desvantagem ficou muito difícil. Nos lançamos no fim e o rival ampliou. Mas preciso exaltar o esforço, a postura e o caráter desse grupo. Tenho a convicção de que quando quebramos essa sequência negativa, as coisas vão melhorar”, afirmou.

O treinador teve que improvisar o meia Cicero. Barroca elogiou a forma de como o jogador atuou.

“É um jogador de alto nível. Gostaria de agradecer, pois assim que o chamei para conversar e falei da improvisação, ele logo se colocou à disposição. Há pouco tempo ele jogava de atacante no Grêmio. Mas é um atleta experiente, inteligente, tem muitas virtudes e entendi que a saída de bola com ele seria melhor. A escolha foi bem feita, apesar de deixar claro que tenho total confiança no Jean, que era nossa outra opção para a zaga”.

Sobre a proposta de jogo, o técnico deixou claro que apenas o ataque servia para o Botafogo.

“A proposta era atacar porque precisávamos da vitória. Não caímos de produção por cansaço. Acredito que o Botafogo continuou com a bola no segundo tempo, mas passou a ter dificuldades para progredir. O tempo passou e a ansiedade aumentou. Tivemos dificuldade em fazer a bola chegar em condições de conclusão. Dificuldade foi de progressão, não de controle. O Rodrigo adiantou o Elias para tirar o Gustavo do jogo. Ficou mais difícil fazer a bola chegar rápido ao João e ao Alex. Até o momento do pênalti o jogo estava totalmente aberto. Com o Atlético em vantagem, o Botafogo precisou se abrir e fazer dois gols em 15 minutos seria muito difícil”.

Fonte: Rádio Tupi