Nos últimos anos, o Botafogo voltou a fazer algo que não se via há um bom tempo: revelar jogadores para o time profissional. O trabalho na base recebeu maior atenção e investimento nas temporadas mais recentes, e os frutos apareceram em relativo pouco tempo.

Nomes como Dória, Vitinho, Renan, Gilberto, Daniel e Sassá foram os principais que subiram da base alvinegra nas últimas temporadas. Atualmente, apenas o último continua em General Severiano – se recupera de lesão. Entretanto, o clube mantém a fórmula que vem rendendo bons frutos.

Em 2015, 11 atletas da base entraram em campo na campanha do título da Série B: Renan (goleiro), Luis Henrique (atacante), Sassá (atacante), Gilberto (lateral-direito), Octávio (meia), Jean (lateral-esquerdo), Fernandes (meia), Emerson (zagueiro), Gegê (meia), Vinícius Taque (atacante) e Diérson (meio-campista).

Dentre eles, os maiores destaques foram Gilberto – negociado ainda naquela temporada com a Fiorentina -, e os atacantes Sassá e Luis Henrique. O primeiro mostrou ser útil em momentos importantes da Série B, como no triunfo sobre o Vitória. O segundo, grande nome na campanha do vice-campeonato da Copa do Brasil sub-17, foi o grande xodó da torcida: mostrou ter habilidade, faro de gol, e é uma das esperanças para o futuro.

Esperança. Essa palavra pode ser usada tanto para a torcida quanto para os jovens que sobem para o time profissional. Na pré-temporada realizada em Domingos Martins, no Espírito Santo, jovens mais conhecidos do torcedor, como Gegê e Octavio, têm sido destaques. O atacante Ribamar, de 18 anos, também mostrou ter habilidade ao anotar um golaço sobre Jefferson.

A corrida dos jovens da base para o time titular já começou (Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo)

Um jogador da base que deve aparecer mais é Diego, que tem sido escalado no time titular nestas primeiras atividades de 2016. Atualmente com 19 anos, ele sabe que vai ter que brigar com o experiente Luis Ricardo por uma vaga entre os onze iniciais, e mostrou estar confiante para a temporada.

Diego tem sido escalado na lateral-direita, e vai brigar pela posição com Luis Ricardo (Vitor Silva/SSPress/Botafogo)

“A pré-temporada serve para testar jogadores em todas as posições e por hora estou no time titular. Cada treino é diferente e acredito que ele ainda vá testar muita coisa no time”, afirmou ao site oficial do clube.

Jogador de velocidade e bom cruzamento, segundo avaliação própria, Diego falou também sobre a grande presença de atletas da base no atual elenco: “Fico feliz porque não são todos que vencem. Bom para os garotos que chegaram agora, a gente luta muito para chegar até aqui. Não tem nada garantido, mas é só manter o trabalho que papai do céu vai abençoar”, afirmou o jovem.

Gerente geral da base alvinegra, Eduardo Freeland falou para a Goal Brasil sobre o trabalho realizado e acredita que os jogadores poderão ser úteis nos desafios do Glorioso: “Acredito que pelo menos três destes novos jogadores poderão ter sucesso no Campeonato Carioca, Copa do Brasil e Campeonato Brasileiro. Também já temos jogadores como o próprio Luis Henrique, que teve momentos muito interessantes no ano passado. Mas a torcida precisa ter paciência, coisa que já vem tendo”.

Em um momento difícil economicamente, a base é vista como uma das tábuas de salvação do clube. Seja em campo ou fora dele. Ricardo Gomes sabe que 2016 vai ser um ano bem mais complicado do que o anterior. A torcida alvinegra ainda vê o time com certa desconfiança, mas a esperança está presente quando o assunto é o futuro.

Fonte: Goal.com