Com boa tradição no basquete – venceu o Estadual algumas vezes nas décadas de 1940 e 1960 -, o Botafogo tem disputado o Campeonato Carioca e agora resolveu dar um passo a mais. O campeão da Liga Ouro, afinal, tem direito a jogar o NBB na próxima temporada.
Investindo no esporte de alto rendimento, o Botafogo também está buscando uma vaga na elite do vôlei. Na disputa da Superliga B, o clube carioca aparece na quarta colocação, com duas vitórias em cinco jogos.

LIGA OURO – Em sua quarta edição, a Liga Ouro terá a participação de seis equipes em 2017, depois de contar com quatro times em 2014, 2015 e 2016. O Sport, de Pernambuco, que esteve presente nas edições anteriores e nunca conseguiu o acesso, desta vez não se inscreveu.
De cara, o favorito ao título e ao acesso parece ser o Joinville, que já jogou o NBB e agora retorna ao basquete de alto rendimento com um elenco estrelado por André Bambu, ex-seleção brasileira.

Além do Joinville, são outros dois times de Santa Catarina: Brusque e Blumenau. De Minas Gerais vem o Contagem Towers, de Contagem (MG), que herdou parte do elenco do Ginástico, time de Belo Horizonte que chegou à semifinal da Liga Ouro do ano passado. Mas a principal novidade é a presença de um time do Norte, o primeiro a jogar um torneio da LNB: o Santos do Amapá.

Na primeira fase, cada time joga 20 vezes – quatro contra cada adversário. Por otimização de recursos, em cada viagem uma equipe atua duas vezes. Na primeira semana, em março, por exemplo, o Botafogo vai ao Amapá para dois jogos contra o Santos. Os quatro primeiros colocados avançam à semifinal, que, assim como a final, será disputada em melhor de cinco jogos.

O aumento dos times na Liga Ouro contrasta com os problemas financeiros encontrados por dois times da elite. São José e Rio Claro, ambos de São Paulo, ficaram fora da competição. O Campo Mourão, vice na Liga Ouro do ano passado, acabou se tornando o 15.º participante do NBB. Assim, as duas primeiras divisões do basquete somam 21 participantes. Número idêntico ao das Superligas A e B no vôlei masculino.

Fonte: Agência Estado