Eliminações como a que o Botafogo sofreu na noite desta quarta-feira no Estádio Nílton Santos são daquelas fáceis de serem digerida.

Porque, apesar do dinheiro que deixa de entrar no caixa e da frustração normal gerada pelo impossibilidade de conquista de título, há sobre o que refletir.

A vitória de 2 a 1 sobre o Bahia no tempo normal, somada ao volume gerado na derrota pelo mesmo placar no jogo em Salvador, mostra que o time evoluiu.

Zé Ricardo conseguiu retomar o perfil competitivo que há alguns anos, já não sei dizer quantos, caracteriza o Botafogo.

O elenco é mediano, na conta-do-chá para um ano sem sobressaltos, mas foi remontado às pressas, com jogadores que só agora começam a se soltar.

E só mesmo as sobrecargas física e emocional poderiam trazer o desconforto de ter que lutar até a última rodada pela permanência na Série A do Brasileiro.

O Botafogo deixa de receber R$ 2 milhões por mais uma fase no torneio da Conmebol, mas segue o ano com a certeza de que tem padrão e estratégia de jogo.

E isso não é pouca coisa, acredite…

Fonte: Extra Online