Fica até difícil tentar não ser repetitivo ao fazer as crônicas das nossas partidas.

Isso porque o Botafogo é exatamente o mesmo do início da temporada. Time limitadíssimo, cria pouco, não faz gol quase nunca e precisa jogar no seu limite pra não sair de campo derrotado. Se já era assim no Carioca, só alguém, digamos, inocente, acharia que estava tudo bem pro Brasileirão.

Pois bem, o presidente Carlos Eduardo achou. O gerente de futebol Antônio Lopes também. Ricardo Gomes, há algumas semanas, disse que “agora, sim, tinha um time bom”. Das duas, uma: ou estão de sacanagem com a nossa cara, ou simplesmente não têm compromisso algum com a verdade e com o Botafogo. Com uma gestão amadora e burra, estão nos levando de volta pro buraco.

Bate palma quem quiser. Eu não tenho rabo preso com ninguém e me recuso a ser conivente com tanta coisa errada que vem sendo feita. O clube está uma zona, administrado por um bando de incompetentes que acham que estão no torneio de pelada do Aterro. Também não serei da turminha do “calma, só jogamos nove rodadas”, “ainda tá cedo pra reclamar” e “vamos apoiar”.

Me desculpem, mas meu grito não vai fazer esse bando de perna de pau aprender a jogar bola. E se você acha que ainda tá cedo pra reclamar, olhe pro passado. Veja quantas vezes já vivemos esse filme de terror. O time tem a mesma carinha daquele de 2014: desde a primeira rodada, todo mundo já sabia o que ia acontecer. E o nosso presidente, que tanto gosta de criticar o desgraçado do Maurício Assumpção, está fazendo igualzinho a ele.

Hoje, contra o Figueirense, fizemos a partida mais melancólica e sofrível dos últimos tempos. Um time desesperado desde o apito inicial, sem o mínimo de qualidade pra criar uma jogada trabalhada e tomando contra-ataques o tempo todo. Quando Neílton é o melhor em campo, é porque tem alguma coisa muito errada acontecendo.

Foi uma lástima. Sem acertar um passe de dois metros ou uma finalização de dentro da área, o Botafogo mostrou que está fadado ao fracasso. Vai ser muito difícil algum time conseguir perder pro nosso amontoado de pernas de pau. O próprio Figueirense é horroroso, pediu pra perder o jogo inteiro e nem assim fomos capazes de criar grandes problemas.

E não tratem Pimpão e Camilo como a salvação, porque eles não são. É injusto com eles e com nós mesmos. Obviamente, vão agregar mais qualidade do que o que temos, mas longe de ser o suficiente. Pra montar um time realmente competitivo, precisávamos de uns 5 reforços titulares. E eles não virão.

Aos 3 mil guerreiros presentes em Juiz de Fora numa quarta-feira chuvosa e fria pra apoiar esse time patético, fica aqui o meu respeito. A diretoria não merece vocês. E que ninguém abra a boca pra criticar a nossa sofrida e humilhada nação alvinegra: esse time de merda não merecia nem vestir o nosso manto com portões fechados. É uma agressão à história do Glorioso.

Um rebaixamento nunca foi tão provável em nove rodadas. Espero estar enganado.

Notas

Sidão: 7
Boas defesas ao ser bombardeado diante de uma defesa sonolenta e inoperante. Deu mole ao espalmar a bola nos pés de Everton Santos, mas o chute foi realmente muito forte.

Luis Ricardo: 6
Fechou bem os avanços do Figueirense pela esquerda, mas foi muito tímido no ataque. Num time com um ataque como o nosso, precisa ser mais incisivo.

Renan Fonseca: 4
Às vezes eu fico tentando entender o que se passa na cabeça desse cara. Nunca consigo. Em alguns momentos, pareceu dormir em pé. Perdeu gol por cabecear de olhos fechados – será que era um cochilinho?

Emerson Silva: 5,5
Fez umas três ou quatro boas intervenções na zaga, mas está em má fase. Vem jogando abaixo do que sabe.

Diogo Barbosa: 4
Voltou mal demais de lesão. Péssimo na zaga e no ataque. Irreconhecível. Já é hora de voltar com Victor Luis.

Aírton: 5
Pela primeira vez em muito tempo, não foi bem. Deixou espaços, perdeu bolas bobas e foi mal na distribuição de jogo. Mais uma vez, saiu lesionado.

Bruno Silva: 3
Horroroso. Errou tudo, desde passes simples a lançamentos longos. Irritaria um monge. Precisa colocar a cabeça no lugar e botar raça nessa porra ou então sentar no banquinho.

Fernandes: 4,5
Sua irregularidade me incomoda demais. Na maior parte do tempo, tem jogado mal. Seu campeonato tem sido decepcionante.

Gervasio Núñez: 3,5
Gostaria de conversar por cinco minutinhos com o responsável pela sua contratação. Alguém precisa dizer pra essa pessoa que ela não entende nada de futebol. Nada.

Anderson Aquino: 0
Uma das maiores aberrações que já passaram pela história do Botafogo. Hoje, me fez lembrar o Delani. Mais uma contratação que mereceria explicações em um clube sério e profissional.

Neílton: 7,5
O melhor do time. Correu, buscou jogo, armou, finalizou e tentou fazer alguma coisa. Pena ser tão franzino.

Luis Henrique: 3,5
Esqueceu a camisa no vestiário. Devia estar pensando nos snaps que vai fazer mais tarde. Esqueceu de jogar bola desde janeiro. Bisonho em campo e totalmente sem ritmo de jogo.

Octávio: 3,5
É uma afronta que ainda esteja no clube ganhando um salário que não é baixo. Deve mesmo ter um padrinho muito bom, porque só isso explicaria. Um dos jogadores mais sem talento que já vi na vida. Deveria insistir na carreira de viner.

Ribamar: sem nota
Entrou no fim e nem encostou na bola. Talvez tenha sido melhor assim.

Ricardo Gomes: 5
Como sempre disse, não tem muito o que fazer. Mas tem sua parcela de culpa por ter declarado publicamente que estava satisfeito com esse elenco. Além disso, colocar Luis Henrique e Octávio em campo é querer castigar a torcida.

Fonte: Blog Preto no Branco - Pedro Chilingue - ESPN FC