A cada ano que passa Papai Noel chega aos clubes do Rio de Janeiro com o saco mais vazio.

E este ano não será diferente.

O aperto no orçamento, em parte motivado pelo encolhimento da economia, está exigindo dos clubes dose maior de criatividade na busca dos reforços para 2014 e este comportamento tem o lado bom e o ruim.

É bom, porque freia o frenesi que tomava o mercado nas semanas seguintes ao final do Brasileiro com gastos sem critérios; e ruim porque tira do torcedor a expectativa de um ano melhor.

Uma coisa é certa: todos os elencos dos clubes do Rio de Janeiro precisam se reforçar _ uns mais, outros menos.

O problema é que nenhum deles tem capacidade disponível para grandes investimentos.

Neste cenário, segundo especialistas do mercado de compra e venda de direitos econômicos de jogadores, as operações estarão escoradas em três pilares: apostas em jogadores sul-americanos de nível médio, no retorno ao país de brasileiros em final de carreira, e oportunidades abertas para destaques da última edição da Série B.

Aliás, o bom resultado alcançado pelo Flamengo com o trio Amaral, Hernane e Paulinho pode ser tomado como espelho e esta deverá ser uma tendência, pelo menos no primeiro semestre.

Enfim, que o torcedor não se frustre ao acordar na manhã do desta quarta-feira e não ver a camisa do craque tão sonhado pendurada na árvore de Natal.

Em tempos bicudos, não perder o que já há de bom pode ser um excelente presente…

Fonte: Blog do Gilmar Ferreira - Extra Online