Que linda festa fez o torcedor do Botafogo no Nílton Santos. Evento do tamanho da grandeza do clube. Noite inesquecível.

Confiança que veio de fora para dentro desde as primeiras horas do dia na cidade.

Contagiado pela clima de otimismo e euforia, o Botafogo fez um primeiro tempo bem razoável. Abriu 2 a 0 com autoridade. Time bem distribuído em campo, corajoso, forte na marcação e inteligente com a bola nos pés. Aírton e Marcelo foram os melhores em campo.

A saída de Aírton desmontou o Botafogo no segundo tempo.

Jair pensou uma coisa, o que na teoria poderia funcionar com a entrada de João Paulo. O que se viu na prática porém foi o Botafogo perder o meio campo e passar a ser dominado pelo Colo-Colo. Levou o gol quando minutos antes poderia ter marcado o terceiro em falta cobrada por Camilo.

Não que João Paulo tenha jogado mal, pelo contrário. Mas um volante de marcação na acepção da palavra teria funcionado mais. Jair demorou para usar Matheus.

Camilo e Montillo juntos funcionaram na maior parte do tempo.

O Botafogo do segundo tempo saiu com ferimentos leves. O placar mais justo talvez fosse 3 a 2 o que mudaria pouco o quadro em Santiago.

Certo é que o Botafogo que vai ao Chile será diferente.

Jair Ventura terá que voltar ao esquema com 3 volantes. Com ou seu Aírton. Para não perder criatividade no meio, Roger ou Pimpão serão sacrificados na frente.

Não creio que Jair escale o Botafogo da mesma maneira que jogou no Rio. E nem precisa.

O empate é sim em Libertadores uma vantagem enorme. O Botafogo não pode é ter medo de jogar.

O time chega forte, com moral, achou um zagueiro (Marcelo) e se for o mesmo do primeiro tempo do Nilton Santos volta classificado. Se for o do segundo tempo certamente não resistirá.

Fonte: Blog do Bruno Voloch - Visão do Rio - Yahoo!