Foi bem mais difícil do que se imaginava a regularização para a permanência no país do meia chileno Leonardo Valencia, de 27 anos, contratado pelo Botafogo no início do mês.

Um caso atípico e que pode abrir um alerta para negociações com jogadores estrangeiros.

O meia havia cumprido pena de serviços comunitários há pouco tempo por ser reincidente em casos de agressão a uma companheira e foi preciso uma “forcinha” do botafoguense Rodrigo Maia, presidente da Câmara dos Deputados, para que o caso não virasse uma novela.

É QUE A LEGISLAÇÃO do país determina que o solicitante do registro temporário para estrangeiros não tenha antecedentes criminais nos cinco anos que antecedem o pedido.

A Polícia Federal do Rio brecou processo ao checar a certidão emitida pelas autoridades chilenas e o encaminhou para análise do Ministério da Justiça, em Brasília, por entender que a regra não fala em casos de penas já cumpridas.

Na letra fria, Leo Valencia possui antecedentes criminais e isso o impediria de trabalhar no Brasil.

Daí o pedido de consideração avalizado pelo parlamentar.

A DELEGACIA de imigração da Polícia Federal do Rio já recebeu a análise do processo, mas depende do cumprimento de exigências burocráticas para dar um parecer favorável _ o que deverá ocorrer nesta sexta-feira.

O Botafogo poderá, então, depois de 18 dias da chegada de Leo Valencia ao Rio, dar prosseguimento aos trâmites para sua inscrição no Brasileiro e na Libertadores.

Se tudo correr bem, a estreia do chileno poderá ocorrer no jogo de quarta-feira, contra o Palmeiras, no Nílton Santos.

E, pelo o que consta, a fera anda “comendo a bola” nos treinos…

Fonte: Blog do Gilmar Ferreira - Extra Online