O Botafogo recebe o Internacional na tarde deste domingo no Estádio Nílton Santos e a diretoria faz promoção de ingressos para tentar atrair seus torcedores.

Afinal, o confronto aparenta ter muito pouco em jogo para os alvinegros.

Tem ingresso de meia-entrada chegando a custar R$ 2,50!

É um valor claramente simbólico para um jogo deste porte, ainda que a qualidade dos dois times esteja bem abaixo da tradição dos dois clubes.

Mas é exatamente sobre isso que preciso escrever.

No novo mundo da era digital, a grandeza dos clubes está redimensionada de acordo com o engajamento das torcidas em programas de fidelização.

Projetos como o de sócio-torcedor, pacotes promocionais de ingressos ou compras de assinatura de payperview.

Tudo que gera cadastro e engaja tem valor neste mundo que se abriu para ações globais.

E é assim que redimensiona o potencial de cada clube.

E por isso lemos e ouvimos sobre a tentativa da realização de um Real Madrid x Barcelona nos Estados Unidos, no Japão ou em um país Árabe.

Porque as duas potencias do futebol espanhol atingiram o mais elevado patamar de receitas no âmbito europeu.

Carnês de ingressos, royalties de produtos e cotas de TV são fontes já exploradas à exaustão no Continente.

Por lá, a meta agora é mostrar quem tem mais fãs engajados mundo afora.

E o que isso tem a ver com o Botafogo?

Tudo!

Não só com o Glorioso, mas também com Fluminense e Vasco, clubes cujas torcidas se queixam do fato de o Flamengo ficar sempre com a maior fatia do bolo.

A diretoria alvinegra baixou o preço dos ingressos porque sabe da tendência ao esvaziamento do estádio.

Principalmente agora que o time de Zé Ricardo está praticamente livre da ameaça de queda à Série B.

E se o torcedor soubesse o quão difícil é representar uma instituição tão gloriosa quanto o Botafogo pagaria dobrado só para homenagea-los…

A divisão de receitas em 2019 será calculada levando em conta as seguintes performances:

A colocação dos times na edição anterior (30%).

Pacotes de assinatura dos jogos no payperview (30%);

E o número de jogos transmitidos na TV aberta (40%).

Significa dizer que quanto maior o engajamento da torcida, maior será também a receita do clube.

Ou seja: a tarefa de mostrar que é o clube é grande não é mais só do jogador ou do dirigente.

Está ao alcance de todos…

Fonte: Blog do Gilmar Ferreira - Extra Online