A diretoria do Botafogo tem buscado receitas imediatas para conseguir bancar a folha salarial do clube. Para os clássicos com o Flamengo e Fluminense, cinco anunciantes fecharam patrocínio nos uniformes alvinegros e geraram uma receita entre R$ 700 mil e R$ 1 milhão. No entanto, no segundo tempo do jogo com o Fluminense, um dos anunciantes mudou o preço que estava às costas.

Para o diretor comercial do clube, Klay Salgado, a estratégia foi decidida pelo anunciante. “Isso foi uma estratégia deles para chamar a atenção, entrando no primeiro tempo com um preço e outro no segundo, que permanece até agora. Quem comprou pelo maior preço foi avisado que o preço real seria o mais baixo”, garantiu.

Nas redes sociais, as críticas pela poluição na camisa se misturaram aos elogios pela iniciativa da diretoria em buscar novas receitas. O diretor alvinegro olha para o passado para justificar a forma como foi conduzida a negociação para os dois jogos.

“O varejo está entre os cinco maiores anunciantes na mídia, seja impressa ou eletrônica, e eles estavam afastados do futebol. Esta oferta foi para trazê-los de volta e ao Botafogo. Quanto à poluição, não sei quem foi o primeiro clube a estampar uma marca em seu uniforme, mas imagino que a reação tenha sido igual a esta. Críticas e elogios aconteceram, mas as pessoas se acostumaram e viram que é necessário ao futebol”, destacou Salgado, que negocia com dois dos anunciantes para a sequência da temporada.

“O resultado destes anúncios foi bastante representativo para o Botafogo e estamos negociando com os cinco para que, pelo menos, dois continuem até o fim do ano com o clube. Conversamos com todos depois dos jogos e eles se mostraram satisfeitos com os resultados, até porque duas marcas eram desconhecidas do mercado e tiveram uma procura muito grande nas redes sociais”, ressaltou o diretor comercial do Botafogo.

Os anúncios renderam ao clube em torno de R$ 1 milhão pelas duas partidas. O retorno de mídia e a exposição fizeram com que o clube mostrasse ao mercado que o futebol ainda é um bom investimento para as empresas.

“A receita foi bastante satisfatória e chamamos a atenção do mercado publicitário mostrando que o Botafogo é capaz de estar na mídia. Como nossa eleição foi em novembro, o nosso departamento de marketing e comercial teve que ir em busca de parceiros em dezembro. Hoje, estamos negociando com algumas empresas para ter dois anunciantes até o fim do ano”, indicou Klay Salgado.

Além de fechar com dois patrocinadores, a diretoria busca a renovação com o fornecedor de material esportivo. Atualmente, a Puma detém os direitos e a prioridade para cobrir qualquer outra oferta. Algumas empresas procuraram o Botafogo, mas a direção espera o retorno do presidente da Puma no Brasil voltar de viagem para tratar do assunto.

Fonte: Terra