Bota reduz folha em 15%, mas não economiza ‘um Seedorf’

Compartilhe:

Imerso em uma das piores crises financeiras de sua história, o Botafogo tentou de tudo para manter o elenco competitivo nesta temporada – até mesmo os salários dos dirigentes foram reduzidos em 20%. Tudo para que os cortes não chegassem aos atletas. Mas não houve jeito. Seis jogadores tiveram que ser negociados nesse meio de ano, o que representou uma redução de 15% na folha salarial do futebol alvinegro.

Porém, as vendas de Fellype Gabriel, Andrezinho, Jadson, Antônio Carlos, Henrique e Vitinho, juntas, representam uma economia de R$ 555 mil por mês. Apesar de representar um alívio aos cofres do Botafogo, a quantia ainda é inferior ao salário gasto com Seedorf, que recebe R$ 700 mil. Com as saídas e as novas contratações, casos de Hyuri, Dankler e Elias, a folha salarial do Alvinegro caiu de R$ 3,5 milhões para pouco menos de R$ 3 milhões.

O único arrependimento do Botafogo nessas vendas foi Vitinho. O Alvinegro admite que o objetivo era segurar o atacante até o fim do ano e não negociá-lo com o CSKA Moscou-RUS, que pagou a multa rescisória de 10 milhões de euros (R$ 31,6 milhões). A diretoria optou por não dar um aumento salarial para o jogador após o Carioca e não conseguiu convencer o camisa 31 a renovar seu contrato após forte assédio dos russos com suas boas atuações no Brasileiro.

O restante fazia parte do planejamento emergencial do Botafogo em reduzir sua folha salarial. Nos casos de Fellype Gabriel e Andrezinho, o Alvinegro nem mesmo recebeu sua parte da negociação, já que os R$ 8 milhões de direito foram penhorados pela Receita Federal. Neste caso, o clube economizou R$ 270 mil de salário de ambos os atletas.

Mas as duas negociações que o Botafogo mais ‘comemorou’ foram as de Antônio Carlos e Henrique. A dupla perdeu o status de titular na temporada e ficou no banco de reservas com salários considerado altos. O zagueiro e o atacante recebiam R$ 130 mil cada e não davam o retorno esperado ao Alvinegro dentro de campo.

E o alívio aos cofres parece ter ajudado o Botafogo a quitar grande parte da sua dívida com o elenco. Os jogadores que recebem pela carteira de trabalho estão com os vencimentos em dia. Já os atletas que recebem por direito de imagem estão com apenas o mês de julho atrasado – o de agosto vencerá no dia 20 de setembro.



Fonte: UOL
Comentários