O Botafogo teve um 2017 para comemorar, ao menos no campo financeiro. O time teve superávit nas contas do clube de cerca de R$ 53,3 milhões, segundo dados da BDO Esporte Total. Números que são comemorados pelo clube, que e vê a situação financeira melhorar um pouco mais.

O sucesso no superávit se deu, principalmente, à presença do time na Libertadores. O clube conseguiu com as premiações e bilheteria uma renda de R$ 25,7 milhões. Além disso, a receita total em 2017 foi de R$ 264,3 milhões, aumento de 65% em relação ao último balanço financeiro do clube.

“O mais importante é que isso demonstra que a política de austeridade permaneceu, permitindo uma redução contínua da dívida. Falta ainda muito, mas esse é o caminho. Tirando 2015 com o Profut, 2017 foi o melhor dos últimos 20 anos”, apontou em entrevista ao Globoesporte.com Luiz Felipe Novis, vice-presidente de finanças do Botafogo,

Os números colocam o clube com o terceiro maior superávit de 2017, atrás de Flamengo (R$ 159 milhões) e Palmeiras (R$ 57 milhões). Mas o clube é o dono do maior endividamento líquido dentre os clubes analisados pela BDO Esporte Total. A dívida, em relação ao balanço anterior, se reduziu em 4% (em 2017 está em R$ 719,1 milhões). E 2018 reflete já neste começo um ano de problemas financeiros para o Glorioso.

“O resultado do balanço é econômico e não financeiro. Nosso problema em 2018 é financeiro, ou seja, fluxo de caixa. Os R$ 53 milhões de superávit não necessariamente entram no caixa do clube. Podem ser, por exemplo, passivos cancelados. Esse superávit. na verdade, retrata uma melhora no patrimônio do clube. Por exemplo, posso ter um imóvel que vale R$ 1 milhão, mas não tenho dinheiro para pagar minhas contas, Então, economicamente estou bem, mas financeiramente mal”, declarou Novis.

Fonte: Torcedores.com e Globoesporte.com