Emerson Sheik chegou ao Botafogo como principal reforço para a disputa do Campeonato Brasileiro. Na última quinta-feira ele treinou pela primeira vez entre os titulares e viu que terá uma importante missão no time: marcar gols. Isso porque Tanque Ferreya foi barrado e o jogador será o único atacante de ofício da equipe.

O problema é que Sheik nem deve se lembrar como comemorar um gol. A última vez que isso ocorreu foi no dia 31 de julho, quando marcou na vitória por 2 a 0 do Corinthians sobre o Grêmio. Desde então foram 36 jogos sem balançar as redes, o que representa um período de 9 meses – ele foi titular em 23 partidas.

A seca de gols impressiona, ainda mais se for levada em consideração o status em que Emerson Sheik chegou ao Botafogo. Considerado titular absoluto, ele só chegou ao clube após fazer exigências financeiras de que receberia seus salários em dia. Seus companheiros, por outro lado, sofrem com os frequentes atrasos, o que é um risco para a paz em General Severiano.

Apesar de ter sido bem recebido no elenco, Sheik nitidamente ainda não se sente em casa. Ainda com poucos sorrisos, ele adota postura discreta nos treinamentos e conversa com poucos companheiros até o momento. E até pelo fato de ter ‘chegado devagar’, sua postura tem sido bastante elogiada pelos botafoguenses.

“Ele é um cara que será importante para o time na temporada. Um grande jogador, mas como pessoa é bastante simples, um cara legal. Foi bom ele ter chegado ao clube. Confesso que fiquei surpreso com sua simplicidade no vestiário. Muito simples, conversa com todos. Ter alguém como ele, será importante. Ainda mais com sua qualidade”, disse Lodeiro.

Ao lado de Zeballos e munido por Lodeiro e Jorge Wagner, Sheik terá papel fundamental para levar o Botafogo a sua primeira vitória na atual edição do Campeonato Brasileiro. A estreia não foi nada animador: derrota por 3 a 0 para o São Paulo, no Morumbi. O Alvinegro volta a campo neste domingo, às 16h, quando receberá o Internacional, no Maracanã.

Fonte: UOL