Treinador mais jovem da Série A do Brasileiro, com 38 anos, e um dos que têm menos tempo de estrada, apenas 11 meses como comandante efetivo, Jair Ventura conseguiu impor ao Botafogo um estilo próprio de jogar. Entre agosto de 2016, quando ele assumiu o time no lugar de Ricardo Gomes, e hoje — quando a equipe enfrenta o Atlético-GO, às 19h, pelo Brasileiro —, muita coisa mudou: o time base, o número de competições que o clube disputa e o estádio onde joga, por exemplo. Mas as características do jogo alvinegro ficaram as mesmas, independentemente de quem entre em campo: uma equipe com garra, força na marcação e contra-ataques mortais.

— É a vida do treinador, muito dinâmica. Todos os times trocam atletas — minimizou Jair recentemente.

Mas comparar os números do Botafogo no Brasileiro deste ano com os do ano passado traz à tona o equilíbrio do Botafogo. Mesmo com só três jogadores em comum entre os times titulares (Carli, Lindoso e Bruno Silva), o aproveitamento é praticamente igual até agora (51% contra 52%). O saldo de gols também, demonstrando que, em ambas as temporadas, a equipe não foi das mais goleadoras, mas a força defensiva compensou.

É claro que Jair tem muito mérito, mas, como nunca treinou outros times, fica uma dúvida: será que ele só sabe jogar assim ou o estilo alvinegro é resultado das limitações do elenco? Recentemente, houve motivos para preocupação: contra o Atlético-PR, na quinta-feira, a equipe se fechou mesmo com chance de vencer um time inferior e entrar no G-4.

Além disso, quando tentou escalar times mais ofensivos, como contra o Barcelona pela Libertadores, decepcionou. O desafio é, mesmo com os tropeços, não ter medo de ousar.

VERSATILIDADE SERÁ POSTA À PROVA CONTRA O ATLÉTICO-GO

Mudanças de uma temporada para a outra, apesar de nem sempre desejadas, são normais. Mas hoje, contra o Atlético-GO, a equipe do Botafogo vai mudar radicalmente de uma partida para a outra. Em parte pelas suspensões, que serão quatro — Carli, Igor Rabello, Emerson Santos e Rodrigo Pimpão — em parte pela decisão de Jair Ventura de poupar dois jogadores — Roger e Rodrigo Lindoso. O treinador até chamou seis jogadores do Rio para se integrarem ao grupo.

Com isso, o sistema defensivo será quase totalmente diferente — só Jefferson, no gol, e Victor Luis, na lateral esquerda, devem permanecer. Luis Ricardo, na lateral direita, e Marcelo e Emerson Silva na zaga, devem completar a primeira linha da equipe. Na frente, também sem os dois titulares, Jair deve escalar Marcos Vinícius e Roger.

A decisão provavelmente se deu por uma combinação de fatores: a necessidade de evitar lesões e desfalques, pensando na Libertadores, e a impressão de que a partida de hoje tem pouca importância se comparada com a do meio da semana, contra o Atlético-MG pela Copa do Brasil. O adversário de hoje não deve ser dos mais difíceis de bater — é o lanterna do campeonato e só venceu dois de seus quinze jogos.

Mesmo assim, é bom ter cuidado: quando enfrentou o Avaí, no Engenhão, o time catarinense era vice-lanterna, e o Alvinegro, o franco favorito. No fim, vitória dos visitantes por 2 a 0. Hoje, as atenções estarão redobradas para que a zebra não se repita.

FICHA DO JOGO

Olímpico (GO) — 19h

Árbitro: Caio Max Augusto Vieira (RN)

Transmissão: A Rádio Globo/CBN e o canal Premiere transmitem a partida ao vivo.

Atlético-GO: Klever, André Castro, Gilvan, Roger Carvalho e Breno Lopes; Marcão Silva, Igor, Paulinho e Jorginho; Niltinho e Walter. Técnico: João Paulo Sanches.

Botafogo: Jefferson, Luis Ricardo, Marcelo, E. Silva e Victor Luis; Dudu, B. Silva, Matheus Fernandes e J. Paulo; M. Vinícius e Guilherme. Técnico: Jair Ventura.

Fonte: Extra Online