Em fase de conversas por investidores para a Botafogo S/A, o clube refuta a possibilidade de ter um dono único. Em entrevista ao “Canal do TF”, o vice de finanças Luiz Felipe Novis explicou que o Alvinegro recebeu propostas que não foram consideradas interessantes.

Máscaras do FogãoNET para torcedores do FogãoNET durante a quarentena da pandemia do novo coronavírus (COVID-19)

— Essa possibilidade de um mandando em tudo não existe. Não houve nenhuma proposta concreta neste sentido. Apareceu um milionário russo que tinha clubes de futebol. Ele mostrou interesse, mas não nos pareceu o tipo de investidor correto. Porque isso traz um risco muito grande. Personaliza o clube, torna vulnerável. Nós tivemos várias ofertas de investidores que tem essa característica de ‘abutre’. Gente que entra com o risco altíssimo e joga o preço lá embaixo. A partir daí, ele injeta algum dinheiro, o valor de mercado sobe e ele na primeira alta, ele vende aquilo. Esse tipo de investimento não nos interessa. Isso seria péssimo para Botafogo. A gente tem uma estratégia de captação mais pulverizada. Há uma chance de ter uma rapidez maior e a gente conseguir fechar. Tenho expectativa positiva de que vamos conseguir ainda este ano – afirmou Novis.

O Botafogo vai diminuir o montante inicial de investimento na S/A, inicialmente prevista em R$ 300 milhões. Isso para se adaptar ao mundo após a pandemia do novo coronavírus.

— Não é de R$ 300 milhões. É menor. Está entre R$ 100 milhões e R$ 200 milhões. Para quem está de fora, quem tem dólar, o valor da dívida diminuiu. Mas o retorno desse investimento também diminuiu. O que é impactante é que você diminuindo o patamar de investimento, atrai mais investidores – acrescentou.

Fonte: Redação FogãoNET e Canal do TF