Durcesio estima perdas de até R$ 95 milhões com rebaixamento e busca R$ 10 milhões em patrocínio no Botafogo

30 comentários

Por FogãoNET

Compartilhe

Posse do presidente do Botafogo Durcesio Mello
Vitor Silva/Botafogo

Dinheiro novo. Durcesio Mello vira e mexe repete essa expressão para mostrar o que precisa para superar a dura realidade financeira do Botafogo. Em entrevista à Rádio Bandeirantes nesta terça-feira, o dirigente alvinegro estimou perdas de até R$ 95 milhões com o rebaixamento – só na cota da TV, são R$ 74 milhões a menos na receita.

– Na realidade é mais. Perde também patrocinador… Meu número é de R$ 90 milhões a R$ 95 milhões (de prejuízo). Estamos lutando para conseguir R$ 10 milhões no ano de patrocínio. E uma das coisas que passa pela minha cabeça é a venda de jogadores. Temos uma safra muito boa subindo do sub-17. A segunda opção é reestruturar a dívida e a terceira é arrumar dinheiro novo. Já vendemos três jogadores esse ano – lembrou o dirigente.

Durcesio voltou a falar na mudança do modelo de gestão como crucial para reestruturar o Botafogo e citou até o caso do arquirrival Flamengo.

– Hoje está realmente muito difícil, mas vamos reestruturar o Botafogo para continuar. Não é trabalho de curto prazo, vai durar anos, mas vamos fazer essa virada. Lamentavelmente vamos ficar alguns anos sem títulos importantes, mas é fazer um trabalho de formiguinha para reestruturar o clube. O Flamengo reestruturou tudo e hoje virou uma potência, então podemos fazer também – afirmou Durcesio, ressaltando a chegada do CEO Jorge Braga como parte desse processo:

– Desde que assumi, trabalho de dez a 12 horas no meu escritório em General Severiano e não dou conta. Contratamos um CEO totalmente independente, já está operacional. Sou tão virado nessa veia do profissionalismo que defendia que o CEO não precisava ser botafoguense, e efetivamente ele não é. Se for corintiano e performar resultado, por exemplo, não me importa. Temos que achar dinheiro novo e fazer um processo que não é rápido para solucionar o clube. Se fosse uma empresa, não só o Botafogo como outros clubes do Brasil já estariam falidos. Estou muito otimista com esse trabalho do CEO, é um cara que veio do mercado financeiro, especialista em renegociação de dívida. Passa também por outra coisa que está acontecendo no Botafogo que é a S/A. Estou diretamente envolvido nisso.

Fonte: Redação FogãoNET e Rádio Bandeirantes

Notícias relacionadas