Com a ameaça do rebaixamento nos seus calcanhares, Botafogo e Fluminense têm um ligeiro alento na matemática. A oito rodadas do fim, pelos cálculos do professor da Universidade Federal de Minas Gerais Gilcione Costa, será possível escapar com 43 pontos. O número de segurança da era dos pontos corridos do Brasileirão tem sido 45, mas as disputas acirradas na parte inferior da tabela jogou o número para baixo nas últimas edições. A pontuação menor, no entanto, não quer dizer vida fácil para nenhum dos dois.

Em comum, os dois cariocas têm o futebol de poucos resultados nas últimas rodadas. Nos últimos oito jogos, Botafogo e Fluminense têm os piores desempenhos entre os cinco que lutam pela permanência (Cruzeiro, Ceará e CSA). Avaí e Chapecoense não entraram na conta por estarem praticamente rebaixados.

O drama alvinegro, nesse aspecto, é maior. Só somou seis dos últimos 24 pontos disputados (25% de aproveitamento). Não venceu uma sequer fora de casa. O Fluminense está um pouco melhor. Conseguiu nove pontos num aproveitamento até superior ao seu em todo o campeonato.

Enquanto isso, Ceará e CSA crescem ligeiramente no campeonato. Somaram 10 pontos com três vitórias e um empate cada. O Cruzeiro evolui em ritmo de quem estaria disputando o terceiro lugar do Brasileiro, com 58,3% de aproveitamento neste recorte. Somou 14 pontos e não perdeu um jogo sequer.

– A situação do Botafogo é pior do que a do Fluminense nesses critérios. A questão aqui é mesmo a pontuação e critérios de desempate que favorecem o Botafogo – diz o matemático da UFMG.

Já na zona de rebaixamento, o tricolor aparece em situação matemática pior – hoje o risco de queda é 58%, segundo o site Infobola. Tem de somar mais 12 pontos até o fim. Ou seja: vencer metade de tudo que está em disputa. Significaria elevar um aproveitamento atual de 34,4% dos pontos a 50%. Um percentual de quem disputa a vaga na Libertadores.

Fator casa favorece o Botafogo

Para se manter na Série A, o tricolor terá outro desafio. Até o fim do campeonato, o time só fará mais três partidas no Maracanã: Atlético-MG, Palmeiras e Fortaleza. Levando em conta a dificuldade de vencer a equipe paulista, na segunda colocação, o Fluminense precisará vencer dois jogos fora de casa. As maiores chances são contra Avaí, quase rebaixado, e CSA, que também luta para não cair. Porém, em todo o Brasileiro, só venceu três vezes como visitante. Amanhã, enfrentará o São Paulo, no Morumbi, num jogo difícil de pontuar.

Nos números, o Botafogo vê o rebaixamento um pouco mais longe. Tem 33 pontos, empatado com Ceará e Cruzeiro, mas com mais vitórias, e está a dois pontos do Z4. Aparece com 15% de risco de queda, de acordo com o Infobola. Neste cenário, três vitórias e um empate lhe bastam. Seriam 10 pontos em 24 disputados; ou 41,6% de aproveitamento a partir de agora. O alvinegro tem, no momento, 36,7%.

Com cinco jogos no Engenhão, o fator casa pode fazer diferença na reta final. Em pelo menos quatro destes, o Botafogo tem condições de pontuar: vencer Avaí e Ceará, que lutam contra o rebaixamento, e empatar com Corinthians e Internacional, dois times também em queda de rendimento. Na quinta-feira, jogará contra o Flamengo, líder do campeonato. Um empate seria comemorado como vitória.

Mas se a lógica prevalecer, faltaria uma vitória a buscar como visitante, sendo a mais provável sobre a Chapecoense, possivelmente já rebaixada na 35ª rodada. Mas, assim como o tricolor, só venceu três partidas fora de casa.

Os caminhos estão postos sobre a mesa. Resta aos cariocas recuperar o futebol.

Fonte: O Globo Online