Ao mesmo tempo em que reforça o elenco, o Botafogo também investe na estrutura. Recentemente, o clube comprou um segundo Kineo, aparelho de última geração para prevenção e tratamento de lesões usado por equipes como Barcelona, da Espanha, e Chelsea, da Inglaterra, por exemplo.

Com os dois aparelhos – o primeiro comprado na gestão Carlos Eduardo Pereira e o segundo agora, com Nelson Mufarrej -, o Botafogo se iguala ao ao Palmeiras como os únicos do Brasil com um par completo desse equipamento – o Flamengo também tem dois, mas um deles uma versão menor, que faz só um dos três exercícios.

Cada máquina custa cerca de R$ 230 mil. De origem italiana, o aparelho permite variar as cargas de força em três tipos de movimentos (extensão, flexão e agachamento), e assim criar “séries” individuais de acordo com a capacidade de cada jogador em cada uma das práticas. Com isso, houve redução das lesões musculares: apenas três (Carli, Renatinho e Kieza).

– Esse ano tivemos três musculares. Todas mínimas, com recuperação curta, em torno de 10 dias. Nosso índice é baixíssimo comparado a qualquer padrão nacional ou internacional. Temos os dados do estudo de lesões da Uefa em 2016-2017. A média dos clubes lá foi de 18 lesões na temporada, dá 1,5 ao mês. Com três em quatro meses, estamos abaixo da média. E estamos falando de Uefa. Lá não tem essa variação louca daqui de temperatura, distâncias, campo… – explica o fisiologista Manoel Coutinho.

Fonte: Globoesporte.com