A partida de hoje contra o Colo-Colo representa bem a situação de todo o futebol Botafogo neste momento. A equipe chega ao estádo Monumental, no Chile, com uma vantagem. O cenário, entretanto, pode se complicar rapidamente: basta sofrer um gol que o time precisará se arriscar no ataque e correr o risco de eliminação.

— Não podemos ficar 90 minutos aguentando o 0 a 0. Se toma um gol no minuto 80 não tem mais tempo para empatar — afirmou Montillo. Por ter vencido o primeiro jogo por 2 a 1, o Botafogo se classifica com qualquer empate.

Se perder hoje, o Alvinegro terá ido de sua melhor fase nos últimos anos — uma ótima campanha no Brasileirão, reforços, Libertadores — para uma situação complicada: terá sido um dos poucos brasileiros a cair na fase preliminar do maior torneio do continente e precisará encarar um cenário adverso no Estadual, onde a classificação para as semifinais está complicada, com um clássico contra o Flamengo já no domingo.

A boa notícia para Jair é a recuperação do volante Airton, que vai para o jogo.
— Está todo mundo bem. — disse o técnico, que quer poder manter o luxo de escalar reservas no clássico, ainda focado na América.

O momento é agitado no clube. Guerra em campo hoje, confronto marcado para domingo, e “guerra fria” contra o Fla nos bastidores. Ontem, nos tribunais, o Botafogo teve um dia para esquecer. O Tribunal Regional de Trabalho do Rio de Janeiro decidiu ontem negar em segunda instância o recurso do clube no caso de Willian Arão, que saiu rumo ao Rubro-negro. O Botafogo já anunciou que deve recorrer ao TRT de Brasília. As batalhas continuam.

Fonte: Extra Online