Com a virada do mês, encerrou o vínculo que a Caixa Econômica Federal possuía com o Botafogo. Uma das principais fontes de receitas do futebol brasileiro nos últimos tempos, o banco estatal não estendeu contrato com clube algum, e o Alvinegro, assim, deixará de receber os R$ 10 milhões anuais da parceria e, por ora, aguarda um acordo com um novo patrocinador.

Neste sábado, em duelo com o Volta Redonda, por exemplo, o Glorioso atuará com a logomarca do Sou Botafogo, o programa de sócio-torcedor do clube. A revelação e detalhes das negociações do Botafogo com potenciais parceiros, não só para o espaço mais nobre na camisa, foram externadas por Ricardo Rotenberg, vice-presidente de comercial e marketing do clube, ao LANCE!.

– O Botafogo vai com a logo do Sou Botafogo (para o jogo deste sábado, no Estádio Raulino de Oliveira). Não há a seguinte preocupação: “Ah, não estamos com publicidade na camisa”. A nossa preocupação é traçar negociações com potenciais patrocinadores que sejam bem relevantes financeiramente. Temos N negociações em planejamento, para máster e outras posições na camisa. Sem estresse algum. As negociações estão andando há várias semanas, e continuarão ao longo do mês de março, ou até em abril.

– Temos vontade de iniciar o Brasileiro com o patrocínio máster e outros concluídos. Mas, entre pegar um patrocínio hoje ou daqui a 30 dias que seja valor X-20%, prefiro esperar e firmar com um patrocínio X ou X+20% em um momento mais oportuno. Essa é a estratégia correta, pois tem muita gente interessada. Hoje, não posso citar nomes e nem quem pode estar mais encaminhado, até por não ter autorização delas, porém estamos negociando com cerca de dez empresas. Este número envolve todos os tipos de parceiros, não só o máster, mas também para algum tipo de associação ao Estádio Nilton Santos e parcerias em geral – emendou o dirigente, por telefone.

O L! apurou que há, aproximadamente, três empresas privadas em conversas encaminhadas para ser o parceiro máster do Botafogo em 2019.

AGRADECIMENTOS

Além de salientar o desejo de contar com um patrocinador máster até o início do Brasileirão, o que ocorrerá no dia 28 de abril, Rotenberg agradeceu à Caixa, que era a principal parceira do Botafogo desde o último trimestre de 2016, quando o acordo previa R$ 12 milhões anuais – valor que diminuiu em seguida.

– Eu estive com o superintendente de marketing da Caixa do Rio de Janeiro, o doutor Alexandre Sampaio, no início da semana, para agradecer pelos pouco mais de dois anos que tivemos com a Caixa e o tratamento excepcional que o clube recebeu. Ele nos agradeceu, até pelo resultado espetacular de retorno para a empresa, e afirmou que teria vontade de seguir, mas que, por enquanto, há uma orientação para que não haja patrocínio junto ao futebol brasileiro. O Alexandre ainda sinalizou que gostaria de realizar novos projetos em conjunto com o Botafogo, talvez até fora do futebol, como uma parceria envolvendo um esporte olímpico. Isso seria a partir de abril.

O Botafogo já iniciou o processo de retirada da logo da Caixa em suas dependências, como em backdrops e placas de publicidade – todos as imagens devem sair até o fim deste mês, de acordo com Ricardo Rotenberg. Para o clube, menos mal que Felipe Neto, um dos maiores youtubers do Brasil, renovou a parceria com o Glorioso e aumentou o investimento através da empresa Vigia Preço, exposta na propriedade comercial “esterno” da camisa – antes, junto ao irmão Luccas, investia via rede de lojas de coxinha Neto’s. Os valores do acordo recém-firmado, contudo, não foram revelados.

Em tempo: além do Vigia de Preço, Fit, Cercred e Baterax são outras empresas expostas nos uniformes do Botafogo.

Fonte: Terra