Novo reforço do Botafogo, Diego Souza terá de cumprir um papel que, apesar de passagens destacadas por diversos clubes, não conseguiu executar na maioria deles: o de protagonista.

Salvo em sua passagem pelo Sport, clube pelo qual conseguiu ser o destaque absoluto, Diego teve alguns bons lampejos em Vasco, Palmeiras, Fluminense (especialmente quando despontou) e Grêmio. Nestes clubes, o jogador, no entanto, sempre esteve acompanhado de nomes que dividiram com ele esta missão.

Contratado em 2018 pelo São Paulo, Diego Souza deixa o Morumbi com alguns gols, mas muito distante de cumprir a expectativa criada em sua chegada, quando tinha a expectativa de disputar a Copa do Mundo de 2018. Fora da lista de Tite, viu seu futebol cair até ser considerado negociável.

Situação semelhante foi vivida também em Atlético-MG, Cruzeiro, Grêmio e Flamengo, já que suas passagens não deixaram saudade em nenhuma das torcidas desses gigantes.

Apesar dessas oscilações, Diego tem um currículo de dar inveja a muitos jogadores. Ao assinar com o Alvinegro, ele chega para defender o nono dentre os 12 clubes dos quatro centros mais fortes do Brasil.

A negociação só ocorreu porque o jogador fez questão de defender o Alvinegro de General Severiano. Insatisfeito no Tricolor, ele abriu mão de R$ 2,7 milhões. É que o centroavante não receberá de nenhum dos clubes envolvidos a quantia de R$ 300 mil mensais referentes a luvas e direito de imagem dos nove meses restantes do ano – abril a dezembro.

O clube pagará apenas os R$ 345 mil de salário, valor que o atleta recebia em carteira no Morumbi. Em seu perfil do Twitter, o novo jogador do clube postou um vídeo que faz alusão ao negócio.

Fonte: UOL