Flamengo e Botafogo iniciaram a pausa no Campeonato Brasileiro para a disputa da Copa do Mundo convictos em uma realidade diferente na retomada do torneio. Porém, as prometidas modificações no elenco não aconteceram conforme o prometido. Os times retornam aos gramados com apenas três novidades e envoltos na tradicional crise financeira.

Os cariocas interromperam a competição em situação delicada na tabela. O Rubro-negro está apenas em 19º lugar, com sete pontos. Já o Alvinegro ocupa a 13ª colocação e soma nove pontos. Reforços foram idealizados, porém, nada caminhou de acordo com o objetivo dos dirigentes e sonhos dos torcedores.

O Flamengo contratou apenas o meia argentino Héctor Canteros e pouco mexeu em um plantel que precisa responder rapidamente para deixar a zona de rebaixamento. Além da dificuldade em encontrar atletas com perfis desejados por dirigentes e comissão técnica, o clube sofre com pelo menos um mês de salário atrasado em razão de receitas bloqueadas.

O panorama é praticamente o mesmo apresentado antes do Mundial. Mas o discurso segue otimista em afastar a crise dos lados da Gávea. “A diretoria nos passou tranquilidade sobre os pagamentos. Estou mais preocupado com a 19ª posição no Campeonato Brasileiro. Os 15 dias de folga não foram bons. Você sai na rua, é cobrado, e fica com a cabeça a mil. Temos que tirar o Flamengo dessa posição incômoda”, afirmou o zagueiro Wallace.

O Botafogo vive situação semelhante. Estacionado em grave crise desde a eliminação da Copa Libertadores, o clube via o recesso para a Copa do Mundo como a solução dos problemas. Não foi o que aconteceu. Pelo contrário. O Alvinegro tinha como objetivo colocar os salários em dia e reforçar o elenco para o restante da temporada.

O principal obstáculo do clube são as finanças. Atualmente, a diretoria deve dois meses de salários em carteira de trabalho e cinco de direitos de imagem. Fora do ato trabalhista, todo o dinheiro do Botafogo é retido pela Receita Federal, o que impede o repasse da verba para os atletas. A situação gera insatisfação no elenco, que vetou a viagem para um amistoso contra o Botafogo-PB durante o recesso.

Mas não são apenas os jogadores que estão insatisfeitos. Os torcedores escutaram promessas de reforços. Eram previstos entre cinco e seis atletas. O combinado não foi cumprido, assim como a qualidade dos novos jogadores passou a ser questionada pela torcida. Até o momento, apenas Yuri Mamute, do Grêmio, e João Gabriel, da Matonense, chegaram. Nomes como Renato Augusto e Vitinho ficaram apenas no imaginário.

Fonte: UOL