O drama de Gatito Fernández, com interminável lesão no punho direito e a polêmica em torno do tempo de sua recuperação, tornou-se outro adversário do Botafogo às vésperas do clássico com o Vasco, terça-feira, no Nilton Santos, pela 28ª rodada do Brasileiro. Sábado, um dia após o goleiro ter dado emocionada entrevista e alegado que, após seis meses não consegue voltar a jogar, Ricardo Bastos, um dos três médicos do Botafogo, garantiu não que não houve erro clínico e que o tratamento foi feito com o que há de melhor.

Bastos reiterou que foi a diretoria Botafogo que saiu em busca de especialistas, que, segundo o médico, recomendaram o tratamento sem necessidade de cirurgia. “Levamos para o Rodrigo Berlink e ele optou pelo tratamento conservador: analgesia, uma especialista fazendo a parte de recuperação, fisioterapia. No mês passado, Gatito procurou outro especialista de mão, doutor Ricardo Laranjeiras, e as duas equipes corroboraram com a nossa no tratamento conservador, não cirúrgico”, disse.

“A gente esbarra na ansiedade dele. Está ansioso, tem a pressão de todo mundo e tem a dor. Eu não posso liberar um jogador para treinar com dor, a minha função é preservar a saúde do atleta”, completou.

Fonte: O Dia Online